Após nova fraude, denunciados na Operação Banquete têm prisão decretada

Postado em: 19-02-2016 às 16h03
Por: Redação
Charlles Spósito e Roberta de Oliveira Carneiro Spósito tiveram a prisão preventiva decretada hoje (19)

Jéssica Chiareli

O Ministério Público de Goiás (MP/GO) decretou hoje (19), em
Anápolis, a prisão preventiva de Charlles Spósito e Roberta de Oliveira
Carneiro Spósito. A dupla é acusada de formação de quadrilha e fraude à
licitação. Juntamente com Aparecida Soares Rangel, Carlos Paulo Carvalho e
Mauro Spósito, eles foram denunciados em dezembro de 2015, durante a Operação
Banquete.

De acordo com o MP/GO, o esquema funcionava por meio de uma
estrutura organizada, que envolvia três empresas e fraudava as licitações.
Charlles Spósito teria utilizado o Supermercado Tudo de Bom, Comercial
Polifrios e Dourado Distribuidora de Produtos Alimentícios para fraudar a
competição dos processos de licitação. Os crimes ocorreram nos municípios
de Caldas Novas, Cocalzinho de Goiás, Rio Verde e Anápolis, entre 2010 e 2015.

As fraudes ocorriam com o auxílio da mulher de Spósio,
Roberta Spósito, além de seu primo, Mauro Spósito, um funcionário identificado
como Carlos Carvalho, e Aparecida Rangel, empregada doméstica do casal. A
funcionária emprestou seu nome para a constituição da empresa Comercial
Polifrios. 

Embora  as empresas
aparentassem, perante o poder público, serem concorrentes, elas funcionavam no
mesmo local. Charlles e Roberta tiveram prisão
preventiva decretada, já aos demais acusados foram aplicadas medidas.  

Compartilhe: