Terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

MJ e ACNUR reforçam apoio aos refugiados

O Ministério da Justiça (MJ) e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) firmaram parceria que permitirá desenvolver ações conjuntas de proteção internacional e integração de refugiados e apátridas no Brasil

Postado em: 22-02-2016 às 00h00
Por: Redação
Imagem Ilustrando a Notícia: MJ e ACNUR reforçam apoio aos refugiados
O Ministério da Justiça (MJ) e a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) firmaram parceria que permitirá desenvolver ações conjuntas de proteção internacional e integração de refugiados e apátridas no Brasil

Essas ações serão planejadas pelo Grupo de Articulação e Cooperação (GAC), criado por meio de um acordo de cooperação e fortalecimento institucional firmado entre o secretário Nacional de Justiça e presidente do Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), Beto Vasconcelos, e o representante do ACNUR no Brasil, Agni Castro-Pita.

O texto do acordo foi publicado no Diário Oficial da União desta segunda-feira (15). MJ e ACNUR trabalharão no planejamento de ações articuladas e de apoio à acolhida, proteção, assistência, integração, comunicação e sensibilização, abrangendo também os solicitantes de refúgio e pessoas do Programa Brasileiro de Reassentamento Solidário.

“O Brasil tem exercido, no cenário internacional, um papel protagonista e inovador quanto ao tema de imigração e refúgio. Esse acordo vem em um momento adequado para uma etapa que tem como foco o reforço das políticas de integração dos refugiados à nossa sociedade”, afirma Beto Vasconcelos.

Continua após a publicidade

“Queremos estabelecer uma estratégia de integração local no marco da Convenção da ONU de 1951 sobre Refugiados, da Lei Brasileira de Refúgio e do recém aprovado Plano de Ação do Brasil, válido para toda a América Latina e Caribe”, ressaltou o representante interino do ACNUR, Agni Castro-Pita.

Outros objetivos da cooperação são o aprimoramento de metodologias e técnicas de análise e processamento de diferentes dados e indicadores, avaliação de cenários e desenvolvimento de novas abordagens de financiamento. Também estão previstas estratégias de monitoramento e execução das metas estabelecidas pelo Plano de Ação do Brasil – aprovado em dezembro de 2014 por 28 países e três territórios da América Latina e Caribe, com ações para a década 2015-2025.

 

Veja Também