Segunda-feira, 15 de abril de 2024

Operação Goiás combate carne clandestina

Novos parceiros vão integrar o projeto de atuação do Ministério Público de Goiás voltado para o combate à venda da carne

Postado em: 21-02-2016 às 08h06
Por: Redação
Imagem Ilustrando a Notícia: Operação Goiás combate carne clandestina
Novos parceiros vão integrar o projeto de atuação do Ministério Público de Goiás voltado para o combate à venda da carne

Novos parceiros vão integrar o projeto de atuação do Ministério Público de Goiás voltado para o combate à carne clandestina. Para a segunda fase da iniciativa, que teve início no ano passado, as atividades terão o enfoque educativo, visando esclarecer e orientar comerciantes e pequenos produtores sobre a necessidade de regularização do abate e comercialização da carne.

Desse modo, em reunião realizada dia 11 de fevereiro foi confirmado que a Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) serão parceiros do MP-GO para o desenvolvimento desta nova etapa da Operação Goiás contra a Carne Clandestina. De acordo com o presidente da Comissão de Pecuária Leiteira da Faeg, Eurípedes Barsanulfo, a entidade busca orientar e incentivar a venda de animais com todas as exigências legais, como a guia de transporte animal (GTA) e nota fiscal. Ele sugeriu ainda que, juntamente com o Sebrae, a Faeg poderá elaborar um manual de boas práticas para esclarecer aos produtores a documentação exigida para a comercialização de animais.

O gestor do departamento técnico do Senar, Flávio Henrique Silva, destacou que a abordagem educativa é o melhor enfoque a ser dado no primeiro momento, sem que se deixe de desenvolver também uma posterior fiscalização. Já a contribuição do Sebrae deverá ser o auxílio a pequenos empresários que se interessarem em instalar um pequeno frigorífico.

Continua após a publicidade

Para a coordenadora do Centro de Apoio Operacional do Consumidor do MP-GO, Alessandra de Melo Silva, o intuito do trabalho é o de possibilitar o fornecimento de um produto de qualidade para o consumidor final. Segundo ponderou, os esclarecimentos aos comerciantes e produtores serão fundamentais para buscar a regularização do comércio de carnes no Estado, sem que se afaste, contudo, a atuação da fiscalização, caso necessária.

Ações 

Participaram ainda da reunião órgãos que já integram o grupo de trabalho de combate à carne clandestina, como Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa); e Superintendência de Vigilância Sanitária (Suvisa). São ainda integrantes do GT os Procons estadual e municipal; o Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) e o Sindicato das Indústrias de Carne e Derivados no Estado de Goiás (Sindicarne Goiás). (MP-GO)

 

Veja Também