CMTC abre novo edital para bicicletas compartilhadas

Apesar de mais completo, falha que motivou suspensão do primeiro certame ainda não foi corrigida

Postado em: 07-09-2016 às 06h00
Por: Redação
Apesar de mais completo, falha que motivou suspensão do primeiro certame ainda não foi corrigida

A Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC) abriu uma nova licitação para a escolha de empresas interessadas em administrar o Sistema de Bicicletas Compartilhadas em Goiânia. O processo anterior foi anulado, no início de agosto, após o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) emitir medida cautelar para que a Companhia suspendesse o certame.

O motivo para o questionamento feito pelo Ministério Público de Contas (MPC) foi a inexistência à época do Plano Municipal de Mobilidade Urbana e a falta de planejamento no Sistema, entre outros. O novo edital é bastante esclarecer quanto à disponibilidade de vias cicláveis na capital. Estão descritos todos os trechos de ciclovias, ciclorrotas, ciclofaixas de lazer tanto em implantação quanto já concluídos.

A falta de planejamento do Sistema questionada à época foi resolvida. O edital contém um estudo de viabilidade de implantação do serviço, no qual é justificada a ausência do Plano de Mobilidade – questionado na proposta anterior pelo MPC. “Do ponto de vista da Área de Cobertura Inicia, uma pesquisa Origem Destino, a ser executada no Plano de Mobilidade em elaboração pela Prefeitura de Goiânia, conforme determinações do Ministério das Cidades, não configura um pré-requisito para o início da implantação do sistema, podendo, sim, complementar os dados”.

Continua após a publicidade

O planejamento levou em conta as vias cicláveis disponíveis, os pontos geradores de fluxo, a distribuição de empregos e os dados demográficos de Goiânia.

Estações

O anteprojeto é semelhante à proposta anterior. São previstas 30 estações com dez bicicletas cada uma. O número poderá ser ampliado para 60 de acordo com a demanda. As primeiras 15 estações serão instaladas nos setores Central, Oeste, Universitário, Marista e Bueno.

A expectativa é que cada bicicleta faça seis viagens por dia. A CMTC acredita que, assim como os demais sistemas, a receita dos usuários não será suficiente para cobrir todos os custos operacionais e conta com a participação de patrocínios de empresas privadas. A adesão ao sistema poderá ser diária, mensal, semestral ou anual. O uso diário ficará entre R$ 3 e R$ 4, já a modalidade anual vai custar entre R$ 50 e R$ 70.

Cada locação terá duração de 60 minutos nos dias úteis e 90 minutos aos feriados e finais de semana. Se este tempo for excedido, haverá cobrança de multa no valor de R$ 5.

A capital possui, de acordo com o levantamento, 72,7 quilômetros de vias cicláveis já implantadas e 29,7 quilômetros em fase de instalação. Os envelopes dos interessados em firmar parceria com a CMTC no serviço devem entregar os documentos na manhã do dia 3 de outubro.

Veja Também