Dia Internacional do Homem chama atenção para cuidados com a saúde masculina

Postado em: 15-07-1017 às 15h00
Por: Amanda de Oliveira
Exames para detecção precoce de doenças podem diminuir números de diagnósticos no país.

Hoje,
sábado, (15), é comemorado, no Brasil, o Dia Internacional do Homem. Mas a data
não de tanta comemoração assim, já que traz à tona, a discussão sobre os
cuidados com a saúde masculina no país. Os números não são tão animadores.

Atualmente
no Brasil 18% dos homens brasileiros são obesos e 57% apresentam sobrepeso. Com
relação ao tabagismo, 12,7% fumam e sobre doenças crônicas, 7,8% dos homens têm
diabetes e 23,6% têm hipertensão. Vinte e sete por cento dos homens consomem
bebida alcoólica abusivamente e 12,9% dirigem após beber. Os dados fazem parte
do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas
por Inquérito Telefônico (Vigitel), realizado anualmente pelo governo federal.

Segundo
dados do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde, na
faixa de 20 a 59 anos, os homens morrem mais por causas externas, como
acidentes de trânsito, acidentes de trabalho e lesões por violência. O segundo
motivo de morte entre homens nesta faixa etária são as doenças do aparelho
circulatório, seguida das neoplasias.

Câncer de próstata

Desconsiderando
os tumores de pele não melanoma, o câncer de próstata é o mais incidente entre
os homens em todas as regiões do país, segundo estimativas do Instituto
Nacional de Câncer (Inca). A previsão é de que 68 mil novos casos surjam em
2017. Assim em outros tipos de câncer, o diagnóstico precoce pode aumentar as
chances de cura do paciente.

O
urologista e conselheiro do Conselho Federal de Medicina (CFM) Lúcio Flávio
Gonzaga destaca que ainda não há protocolos internacionais que definam o
auto-cuidado para o câncer de próstata como há para a doença na mama.

A
recomendação médica é que o homem, a partir dos 50 anos, comece a fazer exames
de prevenção, verificando as taxas do Antígeno Prostático Específico (PSA), uma
substância produzida pelas células da glândula da próstata, além do toque
retal.

Sexualidade

A
disfunção erétil, de acordo com o urologista Gonzaga está associada ao diabetes
mellitus, à hipertensão arterial e obesidade e pode ser o primeiro sinal de que
o homem está apresentando alguma doença cardiovascular.

“A
impotência sexual atinge, em alguma medida, quase todos os homens depois dos 40
anos. Atualmente ela é considerada um importante marcador de doenças
cardiovasculares, como infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral”,
afirma.

Prevenção precoce

É recomendável
fazer check-ups rotineiramente, para identificação precoce de doenças. A
atividade física também contribui para a manutenção da qualidade de vida e a
sua adoção auxilia na prevenção e combate de doenças como: ansiedade; diabetes;
pressão alta; osteoporose, entre outros problemas cardíacos.

(Agência Brasil)

Compartilhe: