Ex-prefeito de Barro Alto é condenado por colocar fotos de si mesmo em prédios públicos

Tribunal de Justiça de Goiás entendeu que o então gestor municipal cometeu improbidade administrativa ao praticar publicidade e autopromoção

Postado em: 10-01-2022 às 15h57
Por: Giovana Andrade
Tribunal de Justiça de Goiás entendeu que o gestor municipal cometeu improbidade administrativa ao praticar publicidade e autopromoção. | Foto: Reprodução

O ex-prefeito de Barro Alto, Antônio Luciano Batista de Lucena, foi condenado por ato de improbidade administrativa por ter permitido a colocação de fotos suas e de outros agentes políticos em prédios públicos. O recurso do Ministério Público de Goiás foi acolhido pelo Tribunal de Justiça de Goiás, que reconheceu a prática de improbidade ao julgar parcialmente procedente a ação proposta pelo promotor de Justiça Tommaso Leonardi.

Foi aplicada a Antônio Luciano a sanção de multa civil. Conforme apontado pelo promotor na ação inicial, proposta em 2019, o então prefeito, ao colocar suas fotos em diversas repartições públicas, realizou promoção pessoal ilícita, violando os princípios da legalidade, impessoalidade, moralidade e publicidade.

Ele apontou ainda que a Constituição Federal requere que a publicidade dos atos, programas, obras, serviços e campanhas dos órgãos públicos tenha caráter educativo, informativo ou de orientação social, não podendo contar com nomes, símbolos ou imagens que caracterizem promoção pessoal de autoridades ou servidores públicos.

Continua após a publicidade

A sentença do juízo local julgou improcedente o pedido do MPGO, o que levou à interposição de recurso no tribunal. Em parecer proferido no segundo grau, a procuradora de Justiça Ana Cristina Ribeiro Peternella França reiterou que não se evidenciou no caso o exigido caráter educativo, informativo ou de orientação social da publicidade praticada pelo gestor municipal, em nítida violação ao artigo 37, parágrafo 1º, da Constituição Federal.

Ao analisar o recurso e o parecer do MPGO, a deliberação do TJ apontou que “o réu (ex-prefeito), ao fazer o uso de suas fotografias em setores públicos, objetivava transmitir uma boa imagem de sua gestão, com finalidade de autopromoção, transbordando a função meramente informativa, o que afronta o disposto em nossa Carta Magna”.

Veja Também