Com apenas 23% dos goianienses vacinados contra Influenza, Saúde alerta sobre possível surto da doença

Postado em: 02-05-2022 às 08h19
Por: Redação
A campanha de vacinação contra a doença para todos os grupos segue até o dia 3 de junho | Foto: Reprodução

Por Daniell Alves

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a taxa geral de vacinação contra a Influenza (gripe) em Goiânia é de cerca de 23%, mas o recomendado pelo Ministério da Saúde (MS) é imunizar 90% das pessoas incluídas nos grupos prioritários, entre idosos, trabalhadores da saúde, puérperas, gestantes e professores. A baixa adesão tem preocupado autoridades da saúde, uma vez que o déficit vacinal pode acarretar em surtos. 

No último sábado (30), a SMS disponibilizou 66 pontos para o dia D de vacinação contra Influenza e sarampo. O objetivo da ação é mobilizar todos os grupos prioritários para imunização com as duas vacinas. No caso da Influenza, além dos idosos, trabalhadores da saúde, gestantes e puérperas (que já estão sendo imunizados), podem se vacinar: crianças de seis meses a menores de 05 anos (04 anos, 11 meses e 29 dias), professores, indígenas, pessoas com comorbidades e deficiência permanente, Forças Armadas, caminhoneiros, trabalhadores do transporte coletivo, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos de idade sob medidas socioeducativas, dentre outros.

Dentro do grupo de comorbidades, estão incluídos os imunossuprimidos, que precisam apresentar qualquer comprovante, como receita e relatório médico para serem vacinados. Já no caso do sarampo, além dos trabalhadores da saúde, passam a ser vacinadas também as crianças de seis meses a menores de 05 anos. A campanha para todos os grupos segue até o dia 03 de junho. “A partir desta data, a vacinação será aberta para toda população”, informa o secretário Durval Pedroso.

Sarampo

A superintendente de Vigilância em Saúde da Secretaria de Estado da Saúde (SES-GO), Flúvia Amorim, destaca que o sarampo é altamente transmissível, podendo causar sérias complicações e evoluir para morte. A transmissão pode ocorrer por dispersão de gotículas com partículas virais no ar, principalmente em ambientes fechados, como creches, escolas, clínicas e meios de transporte, como ônibus, navios e aviões. 

“A campanha de vacinação contra o sarampo é uma estratégia que tem como objetivo resgatar menores de 5 anos ainda não vacinados e corrigir falhas primárias da vacinação, reduzindo grandes grupos de suscetíveis”, destaca Flúvia.

Em agosto de 2019, o registro de cinco casos confirmados de sarampo em Goiás restabeleceu a cadeia de transmissão da doença após 20 anos sem a circulação do vírus. Esse surto se estendeu de agosto de 2019 a março de 2020, quando foi registrado um total de 20 casos da doença, em Goiânia, Aparecida de Goiânia, Anápolis, Posse e Rialma. Em 2021, foram notificados no Estado 25 casos suspeitos de sarampo, todos descartados, e em 2022 foram notificados 2 casos, também descartados.

Sintomas

De acordo com a SES, o vírus pode ser transmitido seis dias antes e quatro dias após o aparecimento do exantema (manchas vermelhas na pele). Os sintomas clássicos são febre alta, exantema maculopapular generalizado, tosse, coriza, conjuntivite e manchas brancas que aparecem na mucosa oral, antecedendo ao exantema.

“A vacina trivalente é segura e protege contra os vírus da influenza A (H1N1 e H3N2) e influenza B. A detecção de anticorpos protetores se dá entre duas e três semanas após a vacinação, e apresenta, geralmente, duração de seis a 12 meses. A meta é vacinar, no mínimo, 90% dos grupos elegíveis”, aponta. 

Adiamento

A Secretaria recomenda o adiamento da vacinação contra a influenza nas pessoas com quadro sugestivo de infecção pela Covid-19 em atividade, para evitar confusão com outros diagnósticos diferenciais. A vacinação deve ser adiada até a melhora clínica do quadro agudo e ausência de febre. 

As vacinas contra a Covid-19 e a influenza poderão ser administradas de maneira simultânea ou com qualquer intervalo, na população a partir de 12 anos de idade. No entanto, para crianças de 5 a 11 anos de idade, deve ser respeitado um intervalo mínimo de 15 dias entre os imunizantes. 

Documentação

Pessoas com idade acima de 12 anos que quiserem se vacinar contra Covid-19 precisam apresentar documento com foto, comprovantes de vacinação e endereço. As crianças terão que mostrar obrigatoriamente o Cartão de Vacinação, um documento e o comprovante de endereço. Os pais que não puderem acompanhar os filhos precisam preencher autorização para que outras pessoas acompanhem a criança. O documento está disponível na página do ImunizaGyn no site da Prefeitura de Goiânia (www.goiania.go.gov.br).

Já para Influenza, que é dose única, as pessoas com idade acima de 60 anos precisam apresentar documento com foto e comprovante de endereço. Os profissionais da saúde precisam comprovar atuação na área, como crachá, contracheque ou declaração da empresa. Já as gestantes e puérperas, devem apresentar documento de identificação com foto, CPF ou Cartão SUS, comprovante de endereço, além do comprovante da gestação ou do parto, em 45 dias, como, por exemplo, os exames BetaHCG ou Ultrassonografia.

Influenza

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a influenza é uma infecção respiratória aguda causada por diferentes vírus. Os sinais e sintomas da doença são muito variáveis, podendo ocorrer desde a infecção assintomática até formas graves que podem até mesmo causar a morte. Os quadros graves ocorrem com maior frequência nos indivíduos que apresentam fatores ou condições de risco para as complicações da infecção. E mais: a gravidade da doença é maior quando surgem cepas pandêmicas para as quais a população tem pouca ou nenhuma imunidade.

Compartilhe: