Sem correção na tabela, IR pode ser cobrado até sobre 1,5 salário mínimo

A situação observada nos últimos anos é que cada vez mais pessoas com renda baixa passem a pagar o imposto

Postado em: 16-07-2022 às 08h42
Por: Maria Paula Borges
A situação observada nos últimos anos é que cada vez mais pessoas com renda baixa passem a pagar o imposto | Foto: Reprodução

Devido à previsão de o salário mínimo passar a ser de R$ 1.294 no ano que vem, os trabalhadores com renda de 1,5 salário mínimo deverão pagar Imposto de Renda (IR). A situação muda, uma vez que ainda não houve atualização da tabela de tributo, congelada desde 2015, quando o salário mínimo era de R$ 788. Vale ressaltar que, atualmente, quem recebe R$ 1.818, valor proporcional ao 1,5 salário mínimo, é isento do IR. 

A situação observada nos últimos anos é que está se tornando cada vez mais frequente que pessoas com renda baixa passem a pagar o imposto, em decorrência do congelamento do limite da faixa de isenção da tabela do imposto de renda em R$ 1.903. Em 2015, quem deveria pagar o IR era quem recebia um valor acima de 2,4 salários mínimos, que atualmente corresponde a R$ 2.908. 

O representante da Receita Federal em Goiás, Jorge Martins, avalia a situação levando em consideração os dependentes e profissionais liberais. “Como nós não tivemos ajuste na tabela do Imposto de Renda nos últimos anos, quem recebe no mês, descontando a previdência oficial, e o valor de R$ 189,60 por dependente, se o valor líquido der acima de R$ 1903,98 no mês, ele está sujeito a ter retenção do Imposto de Renda ou então pagar o Imposto de Renda no Carnê-Leão, se for profissional liberal”, afirma. 

Continua após a publicidade

Martins afirma ainda que com a falta de correção na tabela juntamente com a inflação, se o trabalhador não tiver dedução de previdência e dependente, já haverá retenção do IR. “A partir de janeiro do ano que vem, com o salário mínimo no valor fixado, provavelmente 1,5 salário mínimo, se a pessoa não tiver dedução de previdência e nem dependente, já vai dar alguma retenção do Imposto de Renda na fonte”.

O Plano Real entrou em vigor em julho de 1994 e, na época, a faixa de isenção era de R$ 561,81, que corresponde a oito salários mínimos do período, que era de R$ 70. Na época, para declarar o IR era necessário que o trabalhador recebesse ao menos oito salários mínimos. 

O reajuste do salário-mínimo para 2023 foi definido a partir da aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) na última quarta-feira (12/07) pelo Congresso. Entretanto, o Ministério da Economia tem revisado o valor devido a alta inflação, que estima o mínimo para R$ 1.310 a partir de janeiro do ano que vem. Caso o valor estimado seja aprovado, quem recebe 1,5 salário-mínimo, correspondente a R$ 1965, terá R$ 4,57 descontados mensalmente. 

Caso não haja atualização da tabela do Imposto de Renda, o Brasil deve entrar em 2023 com o congelamento pelo oitavo ano consecutivo.

Benefício para o Governo

A tabela congelada é benéfica para o governo vigente, que arrecada com a inflação. O presidente da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Unafisco), Mauro Silva, afirma que a cada 1% de inflação não corrigido na tabela, os cofres do governo ganham mais de R$ 2 bilhões por ano. “É uma delícia para a União, Estados e municípios. É só ficar quietinho que há um aumento da arrecadação”. 

O atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), prometeu o reajuste da tabela, mas optou por utilizar o aumento de arrecadação para desonerar tributos e fazer o parcelamento de débitos tributários para micro e pequenas empresas, além de mais benefícios com a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Kamikaze. A correção foi tema de campanha nas eleições de 2018 e atualmente é defendida por dois dos candidatos à corrida presidencial, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Ciro Gomes (PDT).

Segundo Jorge Martins, a atualização do salário mínimo costuma ser baseada no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) acumulado, podendo o governo aumentar o valor do mínimo de acordo com a sua vontade. Ele afirma ainda que o correto seria a correção da tabela seguir o valor da inflação. “O correto seria a tabela do Imposto de Renda sofrer correção no mesmo valor da inflação, mas isso depende da política do governo. Cada governo adota alguma política de correção da tabela”, ressalta.

Veja Também