Agricultura familiar é maioria dos estabelecimentos rurais

Pequenos produtores são os maiores responsáveis por colocar comida na mesa dos brasileiros

Postado em: 21-07-2022 às 07h46
Por: Daniell Alves
Pequenos produtores são os maiores responsáveis por colocar comida na mesa dos brasileiros | Foto: Enio Tavares

Segundo dados da pesquisa Agricultura Familiar em Goiás, do Instituto Mauro Borges (IMB), no Estado, a agricultura familiar representa 62,9% dos estabelecimentos rurais goianos. Em família, pequenos produtores rurais conseguem se sustentar, gerar renda e empregos nas proximidades das regiões que estão localizados. Além disso, abastecem as unidades escolares com alimentos, frutas e verduras. 

Entre estes pequenos produtores inseridos na agricultura familiar está Leonel Adão, que atua na área de hortaliças, em Trindade. São plantados alimentos como alface, cheiro verde, agrião e brócolis. Atualmente, trabalha ele e a família, além de três outros funcionários que também auxiliam na rotina de plantação, colheita e entregas aos clientes. 

A rota de entrega começa a partir das 5 da manhã. A família também realiza feiras cinco vezes na semana para venda de produtos. “Estamos fazendo algo que é de extrema importância. Nós produzimos alimentos sem o uso de agrotóxicos, que são tratados com carinho para serem distribuídos com segurança para a população”, explica. 

Continua após a publicidade

Fechamento das escolas prejudicou vendas

Com a pandemia da Covid-19, o negócio de Leonel foi bastante afetado. Isto porque grande parte das vendas eram destinadas para as unidades escolares, que permaneceram por um período fechadas. “Além disso, algumas feiras também pararam por causa do decreto”, aponta. A partir daí, a agricultura familiar começou a trabalhar com o sistema de delivery. 

Leonel começou no ramo por influência de seu pai, que sempre trabalhou em fazendas. Depois de pedir demissão de um emprego, ele se dedicou e lutou para se manter no mercado e hoje consegue se sustentar, além de gerar renda e empregos. 

A família da agricultora Carmelucia Helena Costa, em Morrinhos, também já se sustenta somente com os ganhos da agricultura familiar. Diversos alimentos são plantados para abastecer a região e escolas por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Também há uma loja de produtos produzidos com venda de polpas de frutas. 

“As verduras sempre colhemos na segunda e na terça-feira para abastecer as escolas. Já as polpas são feitas com frutas plantadas e também compradas de outros agricultores da região”, explica. Carmelucia começou há mais de 10 anos no ramo da agricultura. “Naquela época vendia bastante e foi uma benção. Hoje, todos meus filhos vivem da agricultura familiar”. 

Segurança alimentar 

Responsável pela maior parte do alimento que chega à mesa dos brasileiros, a agricultura familiar é bastante importante ao garantir a segurança alimentar para diversas pessoas. “Também tem grande importância econômica, sendo fundamental para o desenvolvimento rural de Goiás. Com a Semana da Agricultura Familiar, não serão beneficiados apenas os segmentos abrangidos pelas cadeias produtivas da agricultura familiar”, destaca o presidente da Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), Pedro Leonardo Rezende.

Para o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Tiago Mendonça, os agricultores são pessoas que têm amor à terra, que cuidam da terra e dos animais, protegem as nascentes e produzem alimentos de uma forma mais harmônica com a natureza. “Muitos dos alimentos que compramos nas feiras e supermercados são produzidos por agricultores familiares. A agricultura familiar, portanto, gera renda e emprego no campo, promove a segurança alimentar e ainda contribui para o desenvolvimento sustentável”, avalia. 

Produção 

Sobre o perfil da produção dos agricultores familiares goianos, em específico, quanto à infraestrutura produtiva e ao estoque de capital, nota-se que, em Goiás, a situação dos pequenos agricultores é diferente do cenário da região nordeste, no que se refere à precariedade do acesso aos meios produtivos.

De acordo com a pesquisa, o estado de Goiás é privilegiado pelas questões climáticas, metade do ano é um período em que as chuvas são presentes, mesmo assim, há uma proporção considerável de reservatórios hídricos, sendo que 39,4% das propriedades possuem poços profundos e 35,7% poços convencionais.

A produção de Alface é maior em Goiânia, isso por ser um grande centro consumidor e também por a folhagem ser produto que deve ter distribuição diária. Com relação à produção de Couve a maior concentração está em Rio Verde, Pepino no município de Leopoldo de Bulhões e Pimenta em Catalão. 

Semana da Agricultura Familiar oferece capacitação a produtores

De 27 a 29 de julho, ocorre evento técnico em comemoração à Semana Estadual da Agricultura Familiar, promovido pela Seapa. Voltado a produtores rurais e toda a sociedade, o evento deste ano será marcado por um ciclo de palestras e oficinas que serão oferecidos no Centro de Tecnologia e Inovação (Centrer) da Emater, em Goiânia.

Com atividades que se iniciam às 9 horas de cada um dos três dias de evento, serão oferecidas orientações teóricas e práticas sobre manejo rotacionado, indicações geográficas, panificação, derivados lácteos, hortas suspensas, bioinsumos, crédito rural, comercialização e outros. A condução das palestras e oficinas ficará a cargo de gestores e técnicos da Seapa, Emater e Agrodefesa, além de parceiros envolvidos.

De acordo com a secretaria, a programação abrange assuntos que estão atualmente em destaque na agropecuária goiana, além de temas importantes para o setor familiar em Goiás. Tiago Mendonça frisa que a realização da Semana da Agricultura Familiar é uma oportunidade de reconhecer a importância e estreitar o contato com o segmento. “A agricultura familiar gera renda e emprego no campo, tem um papel fundamental no abastecimento das cidades e ainda contribui para a preservação do meio ambiente”, afirma ele.

Importância do segmento

A Semana Estadual da Agricultura Familiar foi instituída pela Lei nº 20.513, de 2019. O texto determinou que, na semana que compreende o Dia Nacional da Agricultura Familiar, comemorado em 24 de julho, devem ser desenvolvidas atividades que demonstrem a importância do segmento para a vida de cada um e para o desenvolvimento do Estado.

Para participar da programação gratuita de palestras e minicursos da Semana da Agricultura Familiar 2022, produtores e a comunidade devem se inscrever pelo site da Emater. No mesmo link está disponível a programação completa. Haverá emissão de certificados.

Veja Também