Sexta-feira, 03 de fevereiro de 2023

Goiás tem 1,5 mil pacientes na fila da espera por doações de órgãos

Até o momento, foram realizados 329 transplantes de órgãos no Estado

Postado em: 21-09-2022 às 08h38
Por: Daniell Alves
Até o momento, foram realizados 329 transplantes de órgãos no Estado | Foto: Reprodução

Dados da Secretaria de Saúde do Estado (SES-GO) apontam que há 1.356 pacientes na lista de espera por doações de córnea, 242 aguardando por um rim e 5 na espera por um fígado. Outros 16 pacientes pacientes estão à espera de um transplante de medula óssea, segundo a Rede Estadual de Hemocentros (Rede Hemo) de Goiás. No Registro Nacional de Doadores Voluntários há 232 mil goianos cadastrados.

De janeiro a agosto deste ano, Goiás realizou 329 transplantes de órgãos e tecidos, conforme dados da SES. Neste Setembro Verde, mês que visa à conscientização da população sobre a importância da doação de órgãos e tecidos, o quantitativo deve aumentar devido às campanhas promovidas pelas entidades e órgãos públicos. 

No Estado, foram realizados transplantes de 55 rins, 4 de fígado, 246 de córneas, 11 de medula óssea e 13 músculo esquelético. São 39 doadores, dos quais foram captados 101 órgãos (74 rins, 19 fígados, 5 corações, 1 pâncreas e 2 pulmões), beneficiando, ainda, receptores que aguardavam na fila de transplantes em Goiás, São Paulo, Pará, Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Paraná.

Continua após a publicidade

A gerente da Central Estadual de Transplantes (CET), Katiúscia Freitas, pontua o grande desafio para o aumento dos transplantes continua sendo a recusa familiar, já que 69% das famílias de Goiás ainda dizem não para a doação de órgãos, muito possivelmente por desconhecimento, mitos e tabus em torno desse tema. “Por esse motivo a importância de sensibilizar a população sobre o assunto, tendo em vista que quem decide pela doação é a família”, explica.

Fila de espera

O Brasil possui o maior programa público de transplante de órgãos, tecidos e células do mundo, que é garantido a toda a população por meio do SUS, responsável pelo financiamento de cerca de 95% dos transplantes no país, aponta o Ministério da Saúde. “Apesar do grande volume de cirurgias realizadas, a quantidade de pessoas em lista de espera para receber um órgão ainda é grande”. 

Desse modo, para vencer a desproporção entre número de pacientes na lista e o número de transplantes realizados, é importante conscientizar a população sobre todas as etapas do procedimento, que começa com o diagnóstico de morte encefálica de um potencial doador e termina na recuperação do paciente que recebeu um novo órgão.

Ato que salva vidas

Conforme o Ministério da Saúde (MS), a doação de órgãos é um ato por meio do qual podem ser doados partes do corpo, sejam órgãos ou tecidos de uma pessoa (doador), para serem utilizados no tratamento de outra pessoa (receptor), com a finalidade de reestabelecer as funções de um órgão ou tecido doente. A doação é um ato muito importante, pois pode salvar vidas.

“De um doador é possível obter vários órgãos e tecidos para realização do transplante. Podem ser doados rins, fígado, coração, pulmões, pâncreas, intestino, córneas, valvas cardíacas, pele, ossos e tendões. Com isso, inúmeras pessoas podem ser beneficiadas com os órgãos e tecidos provenientes de um mesmo doador”, aponta.

Passeio para incentivar doações

No próximo domingo (25), a CET realiza o 1º Passeio Ciclístico pela Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes. O evento, que será realizado com apoio da Gociclo, faz parte do Setembro Verde e será realizado no Parque Areião, no Setor Marista. A concentração dos atletas está prevista para às 7h, com a saída às 8h15, do Parque Areião, seguindo até os parques Vaca Brava e Flamboyant, voltando ao Areião, totalizando um percurso de 12 quilômetros.

As inscrições, gratuitas, podem ser feitas por ciclistas profissionais e amadores, mas que estejam pedalando até 5 quilômetros com certa frequência. Os primeiros 300 inscritos vão receber kits com mochila, camisetas e squeeze. Os participantes deverão, obrigatoriamente, estar equipados de luvas, capacete, câmara de ar, kit remendo, bomba de ar e ferramentas compatíveis com sua bicicleta. A organização orienta ainda a fazer um check-in na bike, caso ela tenha sido revisada recentemente.

Sistema de transporte aéreo pode reduzir filas de espera

Foto: Divulgação

Uma empresa de táxi aeromédico em Goiânia realizou voo solidário ao Instituto do Coração (InCor), do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, para o transporte de um coração e pulmão, que foram transplantados em pacientes assistidos pelo médico cirurgião cardíaco Ronaldo Honorato. A operação ocorreu na madrugada do dia 7 de setembro.

Após a notificação de morte encefálica de um homem, de 34 anos, no município de Presidente Prudente (SP), uma equipe com quatro médicos embarcou em um jato da Brasil Vida Táxi Aéreo, a partir do Aeroporto de Congonhas, às 0h40, para a captação dos órgãos a serem doados. Cada voo teve duração de cerca de uma hora.

“Foi uma operação muito especial e concluída com sucesso. Terminamos a cirurgia por volta das 6h da manhã e três horas depois o coração captado já batia no peito do paciente receptor”, explica Ronaldo Honorato. “Fruto de um esforço coletivo e uma logística aérea eficiente que salvou a vida de outras pessoas”, acrescenta o médico.

Depois de receber o novo coração, o receptor passa por protocolos, monitoramento e avaliação médica para que tenha 100% de sucesso em seu transplante. O receptor do pulmão também passará pelos mesmos protocolos durante o pós-operatório.

Tempo curto

O prazo entre a captação de um órgão e o transporte ao receptor potencial é um dos desafios para salvar a vida de quem espera por um transplante no Brasil. Segundo a empresa, foram mobilizadas previamente ambulâncias terrestres para que o deslocamento entre terminais e hospitais ocorresse com agilidade e segurança.

A Brasil Vida Táxi Aéreo, que já realizou outras operações para o transporte de órgãos, tecidos e equipes médicas, explica que um sistema nacional dedicado à logística destes procedimentos resulta em mais vidas salvas.

“Tivemos um avanço importante nos últimos anos, o Brasil é campeão em transplante público de órgãos, mas uma estrutura aérea eficiente e dedicada pode fazer com que mais brasileiros e até mesmo pacientes de outros países sejam salvos por meio da generosidade de nossa gente”, enfatiza o diretor comercial da Brasil Vida Táxi Aéreo Daniel Henrique.

Veja Também