Terça-feira, 20 de fevereiro de 2024

Em cinco anos, morreram 1.718 pessoas diagnosticadas com HIV e Aids

Mais da metade dos mortos eram jovens do sexo masculino. Entre 2018 e 2023 foram registradas 9.850 notificações de HIV, das quais cerca de 8 mil em homens de 20 a 49 anos

Postado em: 01-12-2023 às 13h10
Por: Luan Monteiro
Imagem Ilustrando a Notícia: Em cinco anos, morreram 1.718 pessoas diagnosticadas com HIV e Aids
Mês é de alerta para a doença e demais infecções sexualmente transmissíveis, principalmente para a população jovem, que registram os maiores índices de HIV e Aids | Foto: Aline Santos

O Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da Saúde de Goiás (SES-GO), realiza a abertura da Campanha Nacional Dezembro Vermelho, nesta sexta-feira (1º/12) – Dia Mundial de Luta conta a Aids – no Palácio Pedro Ludovico Teixeira. A data é celebrada no Brasil desde 1988, para intensificar as atividades do mês dedicado ao combate à HIV/Aids e outras Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs). No local, serão realizadas testagens rápidas de HIV, sífilis, hepatite B e C, em servidores e visitantes do local. “As ações já ocorrem durante todo o ano, em vários lugares. Em dezembro, as ações se intensificam”, afirma a superintendente de Políticas Públicas e Atenção Integral à Saúde, Paula dos Santos Pereira.

De acordo com o boletim de ISTs da Secretaria, de 2018 até 2023, morreram no estado 1.718 pessoas pela doença – mais da metade são jovens do sexo masculino. No mesmo período, foram registradas 9.850 notificações de HIV, das quais cerca de 8 mil em homens de 20 a 49 anos. A SES-GO reforça a importância das testagens para garantir o acompanhamento dessas pessoas. “Quem faz o teste com regularidade e busca tratamento em tempo certo, ganha muito em qualidade de vida”, pontua a superintendente, ressaltando também a importância da prática de sexo seguro, com preservativos.

Profilaxias pré e pós-exposição

Outras formas de prevenção ao HIV disponíveis em Goiás é a Profilaxia Pré-Exposição (Prep) à infecção pelo HIV, feita com uso preventivo de medicamentos antes da exposição ao vírus, reduzindo a probabilidade da infecção. Esse método é usado exclusivamente por pessoas não infectadas. Para o paciente ser elegível, são avaliados fatores como existência de múltiplos parceiros ou parceiras, uso inconstante ou não uso de preservativo nas relações sexuais.

Continua após a publicidade

Já a Profilaxia Pós-Exposição (PEP) ao vírus do HIV, ISTs e hepatites virais consiste no uso de medicamentos antirretrovirais por pessoas já expostas a riscos, como violência sexual, relação sexual desprotegida (sem uso de camisinha ou com o seu rompimento) e acidente ocupacional (com instrumentos perfurocortantes ou em contato direto com material biológico). A PEP deve ser iniciada entre 2 e 72 horas após logo após a exposição de risco e os antirretrovirais devem deve ser usados por 28 dias. O medicamento, emergencial, é oferecido em unidades de saúde 24 horas, como Centro de Atenção Integrada à Saúde (Cais) ou Unidade de Pronto-Atendimento (UPA).

Veja Também