Segunda-feira, 15 de abril de 2024

Aplicativo de denúncias de focos da dengue tem cerca de 80 notificações por dia

“Goiânia Contra o Aedes” é disponibilizado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para que a população possa fazer denúncias de locais com focos da dengue

Postado em: 27-02-2024 às 09h00
Por: Ronilma Pinheiro
Imagem Ilustrando a Notícia: Aplicativo de denúncias de focos da dengue tem cerca de 80 notificações por dia
Após cadastrar um email para contato com os agentes, a solicitação deve ser feita a partir de uma foto do local com o endereço onde se encontra o possível foco da dengue | Foto: Leandro Braz/O Hoje

O aplicativo “Goiânia Contra o Aedes”  disponibilizado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) para que a população possa fazer denúncias de locais com focos da dengue, recebe cerca de 80 notificações por dia, de acordo com o gerente de controle de animais sinantrópicos da SMS, Wellington Tristão.

A ferramenta, lançada em 2021, teve a divulgação intensificada há cerca de um mês pela secretaria. Para fazer uma denúncia, “não tem muito segredo”, segundo o gerente, basta o cidadão baixar o aplicativo e ao entrar na plataforma abrir a página de denúncias. Wellington acrescenta que em vez da população denunciar por meio de ligações para a vigilância, informar pelo aplicativo é mais fácil e eficiente.

Após cadastrar um email para contato com os agentes, a solicitação deve ser feita a partir de uma foto do local com o endereço onde se encontra o possível foco da dengue e demais informações necessárias que ajudem a explicar a problemática. Tristão alerta que não há a necessidade de informar qualquer documento pessoal e frisa que apenas um e-mail deve ser inserido para que haja o retorno da denúncia para o contribuinte.

Continua após a publicidade

A plataforma está disponível para aparelhos android e Ios na Google Play e App Store. 

Ao todo, Goiânia tem sete distritos sanitários, regiões para as quais as denúncias são distribuídas. Ao receberem a queixa, os agentes se dirigem para o local dentro de cerca de três dias caso a demanda não seja muito alta, caso contrário, esse prazo é de até cinco dias, de acordo com o gerente. “Goiânia é muito grande, é uma cidade heterogênea, a gente tem várias situações, mas nossos agentes estão em campo, nós temos mais de 800 agentes distribuídos em sete distritos sanitários”, destaca o gerente, ao afirmar que a equipe busca responder às solicitações o mais rápido possível.

Além desse, outros serviços que contribuem com a eliminação de focos do mosquito da dengue, são disponibilizados pela prefeitura de Goiânia, como os ecopontos. São cinco unidades espalhadas pela capital, que possibilitam o descarte correto de materiais como pneus, resíduos de construção civil e móveis antigos, que podem se tornar focos de proliferação do mosquito da dengue.

Enfrentamento às Arboviroses

Sobre o enfrentamento às arboviroses no município, o gerente afirma que ao contrário de muitos outros municípios, como as regiões do entorno de Brasília por exemplo, que estão em estado crítico para a doença, Goiânia mantém a estabilidade no controle do vírus.

“Nós temos os nossos agentes de endemias que fazem as visitas domiciliares de rotina, levando conhecimento, conscientização, e destruindo possíveis criadouros do Aedes aegypti”. afirma Wellington. As visitas são feitas em pontos estratégicos que são locais de maior risco de proliferação, como em borracharias e ferros velhos.

Uma equipe de fiscalização da prefeitura também trabalha no controle da dengue no município. Em casos de reincidências, o proprietário do local é multado. Os valores variam de 4 mil a 36 mil reais. 

Parcerias com o Serviço Social da Indústria da Construção no Estado de Goiás (Seconci) e com o setor imobiliário também ajudam nesse combate, uma vez que permitem a abertura de casas que estão fechadas em decorrência de venda ou aluguel, para verificação de possíveis focos do mosquito. “Nós temos também um projeto que nós chamamos de projeto de abertura de casas abandonadas”, acrescenta. 

Nesse caso a prefeitura conta com uma ordem judicial para executar o serviço. “Nós trabalhamos também junto em parceria com a Guarda Civil Metropolitana, porque muitos desses lugares se tornaram locais onde as pessoas invadem e tornam em um ambiente de usuário de drogas”, afirma.

Outras abordagens são as armadilhas de dispersão de larvicidas e de oviposição que segundo o gerente, têm feito uma supressão positiva da população de mosquitos. No caso das armadilhas de oviposição, elas são usadas para fazer o monitoramento do mosquito e a sua dispersão dentro do município.

Já são mais de 1500 casos de dengue confirmados em Goiânia, de acordo com o último boletim divulgado pela SMS. Os casos notificados somam mais de 4 mil.

Veja Também