Segunda-feira, 15 de abril de 2024

Aparecida intensifica combate à dengue em ação contra acumuladores de lixo

Em uma única residência foi feita a retirada de três toneladas de lixo, cerca de oito caminhões carregados

Postado em: 23-03-2024 às 12h30
Por: João Victor Reynol de Andrade
Imagem Ilustrando a Notícia: Aparecida intensifica combate à dengue em ação contra acumuladores de lixo
O dono da casa abandonada acumulava lixo a pelo menos 10 anos, desde entulhos a brinquedos velhos | Foto: Edson Fernandes

A crise sanitária da dengue continua impactando o estado de Goiás. Contudo, os principais métodos de controle da doença ainda continua o mesmo, a diminuição populacional do mosquito Aedes Aegypti, mesmo com as novas vacinas disponíveis para a população. Mas, novas medidas dos municípios são tomadas todas as semanas para melhor resguardar a população da Região Metropolitana de Goiânia desta doença, como a retirada de pneus, entulhos e lixo nas regiões. 

Como exemplo, uma nova ação da Prefeitura de Aparecida de Goiânia se deu na manhã desta sexta-feira (22) com o objetivo da diminuição dos lixos e entulhos acumulados por moradores do Residencial Por do Sol. Essas pessoas acumulam objetos variados em grandes quantidades de forma irregular, que pela incidência do período chuvoso, pode aumentar a proliferação do inseto na região. Porém, equipes do Centro de Zoonoses de Aparecida de Goiânia encontraram uma situação crítica em apenas uma residência na região.

Sobre isso, o Superintendente de vigilância em saúde ambiental da secretária de saúde de Aparecida de Goiânia, Edson Fernandes, comenta que foram retiradas cerca de três toneladas de resíduos sólidos de diferentes tipos da casa abandonada que pertencia a um idoso cujo nome não foi divulgado. “A operação nesta residência ainda não terminou, mas já retiramos cerca de oito caminhões de lixo só deste local. Ainda vamos voltar ao local na segunda-feira (25) e acho que vamos retirar ainda mais lixo”, afirma o Superintendente.

Continua após a publicidade

Dentre os itens armazenados pelo homem estavam: entulhos, madeira, balde, brinquedo velho, sacolas plásticas, caixas de papelão e colchões. Segundo Edson, foram dez anos seguidos de acúmulo e, de acordo com ele, quase todos com a presença de criadouros do mosquito-da-dengue. “Depois que fizemos a contabilização medimos cerca de 1500 focos do mosquito eliminados. Já era um problema de saúde pública”, ainda esclarece que foi feita a dedetização da casa após a operação.

Por causa do potencial problema de saúde pública, foi necessária uma intervenção da Vigilância Sanitária junto com a Secretaria de Desenvolvimento Urbano (SDU) e com a Assistência Social. Tal operação necessita do aval dos moradores para que o programa possa continuar. Contudo, Edson informa que as equipes das pastas conseguiram convencer o idoso. “Conseguimos falar com ele e o convencemos do problema de saúde, depois disso conseguimos fazer a retirada do material”.

Além disso, ele explicou que situação já era de conhecimento dos vizinhos, que inclusive, teriam acionado a prefeitura para tomar providências. Porém, disse que a residência já tinha sido degradada por populares em uma tentativa de destruir o edifício. “Já recebemos cinco denúncias daquele local e todos reclamaram da grande quantidade de mosquitos. Inclusive, um grupo de populares incendiou a casa recentemente”.  

E este só foi o começo dessa ação que mira os mais de 15 acumuladores de lixo das 5 subdivisões da cidade. Mas, prevê que este número aumente com a conscientização deste problema sanitário. Ainda sobre isso, prevê que este trabalho se estenderá até o meio de julho com o recolhimento de lixo das casas e a eliminação dos criadouros da dengue. Com isso, Edson explica que o Disque Dengue da prefeitura é o principal recurso que o cidadão pode fazer para denunciar possíveis focos de dengue em domicílios.

Veja Também