Quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

Arte ganha vida na Capital 

Festival Internacional de Cinema de Goiânia (GIFF) 2023 é um encontro de emoções, culturas e transformações cinematográficas

Postado em: 29-11-2023 às 10h00
Por: Tathyane Melo
Imagem Ilustrando a Notícia: Arte ganha vida na Capital 
GIFF começa nesta quarta (29) com extensa programação cultural | Foto: Divulgação

A segunda edição do Festival Internacional de Cinema de Goiânia (GIFF) desvela suas cortinas nesta quarta-feira (29), a partir das 18h, no Centro Cultural UFG. Um evento imponente que reúne mais de 40 produções, entre nacionais e internacionais, distribuídas em cinco mostras competitivas e outras não competitivas: Origens e Ruptura, Fronteiras Abertas, Giffinho, Outras Narrativas e Acessibilidade. Todos os filmes serão projetados gratuitamente ao público na Sala 02 do Cine Ritz, um local de relevância histórica no coração da capital goiana, também homenageado nesta edição do festival. 

Mas este evento não se limita às exibições: é um mergulho no universo do cinema, com encontros entre produtores e cineastas, e atividades que visam ensinar sobre a sétima arte para toda a população.

Após o bem-sucedido ano de estreia online em 2022, o GIFF retorna em sua plenitude e ocorrerá até o dia 3 de dezembro deste ano. O festival promete uma jornada totalmente presencial na capital, com uma programação que contempla mostras competitivas e não competitivas, encontros para intercâmbio entre os nomes de destaque do cinema, além de atividades voltadas ao ensino cinematográfico para a comunidade.

Continua após a publicidade

O ponto alto da cerimônia de abertura é a exibição exclusiva do filme ‘Pedágio’, o mais recente longa-metragem da diretora brasileira Carolina Markowicz, personalidade homenageada nesta edição. Estrelando Maeve Jinkings e Kauan Alvarenga, esta obra traz à tona a história de uma atendente de pedágio que, confrontada com a orientação sexual de seu filho, comete delitos na tentativa desesperada de financiar uma suposta cura para o que ela erroneamente concebe como uma enfermidade. Este drama foi apresentado primeiramente no Festival Internacional de Cinema de Toronto (TIFF) e no Festival de San Sebastian, conquistando, posteriormente, quatro prêmios Redentor no Festival do Rio. Para prestigiar esta abertura ímpar, os interessados devem retirar ingressos, de maneira gratuita, no site do Sympla.

Idealizado pelos cineastas goianos Cássio Domingos e Vanessa Goveia, o GIFF abre as portas para realizadores independentes de Goiás exibirem suas obras nas telonas e, mais que isso, para compartilharem experiências com outros cineastas brasileiros e estrangeiros. ¨Muitas vezes, os festivais de cinema são a primeira porta de entrada de uma obra audiovisual, além de serem os principais canais de difusão de obras de novos realizadores, de curtas-metragens, e de produções nacionais e estrangeiras não exibidas em circuito comercial. O Giff se apresenta como uma janela única em Goiás¨, conta Vanessa.

O evento conta com o apoio do governo de Goiás por meio do Programa de Incentivo à Cultura – Goyazes, um mecanismo de fomento gerenciado pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult). Entre as novidades desta segunda edição do GIFF está a premiação em troféus e valores monetários para as mostras Origens e Ruptura, ambas com um júri composto por seis renomados artistas do audiovisual. Todos os filmes selecionados serão exibidos gratuitamente ao público em Goiânia, permitindo ainda que os espectadores votem em suas produções favoritas.

¨Sempre desejamos fazer algo que fortaleça os realizadores locais primeiro e alcance os convidados e cineastas de fora em seguida. Quando dizemos impactar, não é no quesito glamour e fama, mas no sentido de sair do festival e sentir que algo transformador aconteceu dentro de você, no caso do espectador, e que seu filme gerou algo positivo, no caso do realizador¨, destaca Cássio Domingos.

A organização do evento informou que mais de três mil inscrições foram recebidas para avaliação dos curadores em 2023, entre produções locais, nacionais e internacionais. A curadoria de longas-metragens priorizou obras que instigam a curiosidade, emocionam e provocam o público a refletir sobre sua realidade e convivência com as diferenças. Já os curtas-metragens buscaram representar a diversidade de etnias, fronteiras, gêneros, público e questões socioculturais. ¨O intercâmbio cultural, o debate, a democratização, e a acessibilidade são marcas deste evento. O meu desejo é que todos que participarem se sintam acolhidos e profundamente tocados por essas obras fílmicas contemporâneas¨, detalha Cássio.

Entre os filmes que serão exibidos, destaca-se ‘Mais Pesado é o Céu’, do diretor Petrus Cariry, que estará presente para debater sobre sua obra. Com a atuação de Matheus Nachtergaele, o filme já conquistou prêmios no Festival de Gramado e no Oldenburg Festival, premiação realizada na Alemanha. O cinema independente de Goiás será bem representado com 16 filmes selecionados, como é o caso de ‘Granada’, do cineasta Benedito Ferreira, participante da mostra competitiva Origens.

Dentre os filmes estrangeiros, destaca-se o premiado ‘O Aroma do Absinto’ (The Scent of the Wormwood), do diretor Aibek Daiyrbekov, do Quirguistão, selecionado para a Mostra Ruptura. Os representantes deste filme asiático, o casal Nurbek e Nurgul Daiyrbekov, estarão presentes durante todo o festival. Para o cineasta e produtor Cássio Domingos as participações: ¨mostram que o intercâmbio cultural de fato ocorrerá com pessoas não europeias ou norte-americanas. De um cinema mais raro, fora dos polos de produção comercial¨.

Envolvido em ações sociais, o festival articulou ainda a participação do público das comunidades Beira da Mata e Paulo Freire, ocupações em Aparecida de Goiânia e Goiânia. Esta ação, em parceria com o Movimento de Trabalhadoras/es por Direitos (MTD), visa democratizar o cinema e a cultura. ¨O objetivo é despertar nas comunidades o cinema enquanto uma poderosa ferramenta de denúncia, que dá visibilidade a narrativas de vida e resistência. Esse é o caso da luta organizada das ocupações urbanas pelo direito à moradia digna em Goiânia e região, recentemente retratada no filme Entre Lonas e Estacas, produzido pela Defensoria Pública de Goiás¨, explica a jornalista Clara Domingos, integrante da direção estadual do MTD.

O GIFF também proporcionará oportunidades de aprendizado e networking. Nos dias 1 e 3 de dezembro, ocorrerá a palestra ‘Cadeia de Comercialização de Filmes’, com Barbara Sturm, especialista em distribuição de projetos audiovisuais, a oficina ‘Introdução à Direção de Fotografia – O Comportamento da Câmera’, com Larry Machado, cineasta e diretor de fotografia, e a oficina ‘Música e Som como Elementos Narrativos do Cinema’, com o compositor argentino Laureano Nazar. Estas atividades serão distribuídas entre a Vila Cultural Cora Coralina e o Instituto Gustav Ritter.

No encerramento do festival, haverá uma sessão especial do filme ‘Sem Coração’, de Nara Normande e Tião, também no Cine Ritz, com debate do longa realizado na presença do diretor. Após a sessão, ocorrerá a cerimônia de premiação e encerramento do GIFF. Para dar continuidade ao projeto e fomentar a cultura audiovisual em Goiás, a produtora do festival, CSD Filmes, realizará em março de 2024 a primeira edição do GIFF Interiores, uma mostra itinerante com os filmes vencedores do II GIFF. Esta mostra ocorrerá nas cidades de Nova América de Goiás e Matrinchã, ambas com menos de 5 mil habitantes e fora da região metropolitana de Goiânia.

Festival Internacional de Cinema de Goiânia

Promovido pela produtora goiana CSD Filmes, o festival conta com patrocínio do Programa Goyazes 2023 e do Fundo de Arte e Cultura do Estado de Goiás, com investimentos da Compleite, Lojas TBT Mais e Leve Supermercados. O evento recebe apoio da Secult Goiânia, Universidade Estadual de Goiás (UEG), Instituto Federal de Goiás (IFG), Universidade Federal de Goiás (UFG), Instituto Gustav Ritter, Vila Cultural Cora Coralina, É Nóis Ki Tá Produções, DAFUQ Filmes, Cine Lume Ritz Goiânia e FunHouse.

Veja Também