Segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

Camarões marcam história ao iniciar vacinação contra malária em bebês

Bebês camaroneses tornam-se os primeiros a receber vacina de rotina contra malária, inaugurando uma nova era na luta contra a doença na África

Postado em: 25-01-2024 às 14h26
Por: Cecília Epifânio
Imagem Ilustrando a Notícia: Camarões marcam história ao iniciar vacinação contra malária em bebês
Camarões marcam história ao iniciar vacinação contra malária em bebês | Foto: iStock

Na mais recente conquista na batalha global contra a malária, bebês camaroneses estão fazendo história ao se tornarem os primeiros seres humanos a receberem uma vacina de rotina contra a temida doença. Essa iniciativa marca um significativo avanço no esforço global para erradicar a malária, especialmente na região africana, onde a doença causa mais de 600 mil mortes anualmente, sendo 95% delas na África.

A vacina utilizada nesse marco é a Mosquirix, aprovada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Na primeira etapa, bebês de seis meses ou menos receberão gratuitamente a vacina, que requer quatro doses para completar o ciclo de imunização.

Por que isso é tão importante? A malária, transmitida por mosquitos, é responsável por mais de 600 mil mortes por ano, sendo que, somente em 2021, causou 12% das mortes de crianças nos Camarões. A expectativa é vacinar cerca de 250 mil bebês até o final de 2025, com outros 19 países africanos planejando iniciar a imunização ainda neste ano.

Continua após a publicidade

No entanto, é necessário ter cautela. A vacina Mosquirix, embora represente um avanço significativo, não é uma solução perfeita. Ela é indicada para crianças de até 17 meses e possui uma eficácia de aproximadamente 35%. Além disso, a vacina não interrompe a transmissão da doença, o que significa que aqueles que foram vacinados ainda precisarão recorrer aos métodos tradicionais de prevenção.

Mesmo com essas limitações, a expectativa é que a vacina salve dezenas de milhares de vidas anualmente. Durante os testes realizados em outros três países africanos, as mortes infantis por malária caíram 13%.

A malária não é uma ameaça exclusiva da África. No Brasil, por exemplo, foram registrados 131 mil casos e 62 mortes em 2022. Entretanto, a Mosquirix não será útil no país, pois atinge um protozoário que não é o mais prevalente nos casos de malária brasileira.

O lançamento da vacina em Camarões representa um passo significativo na busca pela erradicação da malária, mas reforça a necessidade contínua de pesquisas e desenvolvimento de soluções ainda mais eficazes e abrangentes para combater essa doença devastadora em todo o mundo.

Veja Também