Suspensão de vendas para a China pode diminuir o valor da carne nos frigoríficos brasileiros

Com a suspensão de compra do país asiático, o Brasil deixa de exportar quase metade da produção de carne.

Postado em: 21-10-2021 às 11h46
Por: Almeida Mariano
Com a suspensão de compra do país asiático, o Brasil deixa de exportar quase metade da produção de carne bovina | Foto: Reprodução

Mesmo com a informação da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) de que as ocorrências não representam risco para a cadeia de produção bovina brasileira, a China mantém o veto de suspensão há 47 dias. Apesar do valor da carne aumentar diariamente nos supermercados, os preços no campo tiveram uma pequena redução.

O motivo desta queda é o fato de as exportações para a China terem sido suspensas após suspeitas de casos da doença da vaca louca nos estados de Minas Gerais e Mato Grosso. Por ano, o país asiático importa quase metade das cerca de 2 milhões toneladas de carne que o Brasil exporta para outros países. Em setembro, quando se deu a suspensão, a cotação da arroba bovina no campo estava em torno de R$ 305, chegando a bater recorde em junho R$ 322. Atualmente, a cotação está custando cerca de R$ 272 .


Segundo especialistas, como o analista da Safras & Mercado Fernando Henrique Iglesias, que acompanha o setor, parte dessa carne que seria exportada já entrou no mercado interno brasileiro, e isso pode refletir em um valor final menor nos supermercados. Em São Paulo, por exemplo, já há registros de que o preço no atacado da carne caiu.
“Essa queda pode chegar ao consumidor, mas não na mesma proporção do atacado. Movimentos de alta de preço são repassados de forma mais agressiva pelo varejo. Mas, quando são de baixa, não é assim…esses repasses acabam sendo mais discretos. É um perfil do negócio”, informa Iglesias.

Continua após a publicidade


Porém, caso a suspensão da China se estenda por muito mais tempo, a tendência é que os frigoríficos comecem a colocar mais carne no mercado interno. E, com mais carne disponível, a tendência tende a ser pela queda dos preços.


“Não tem outro consumidor mundial que consegue comprar em quantidade e preço o que a China compra do Brasil. Então essa carne vai acabar indo para o mercado interno e o preço pode recuar de forma mais significativa…É verdade que o valor da carne bovina teria que cair bastante para que o consumo retomasse. Os preços atingiram patamares bastante proibitivos”, ressalta Iglesias.

Veja Também