Franquias mantém crescimento durante pandemia

Postado em: 27-11-2021 às 16h00
Por: Alice Orth
Pesquisa mostra variação positiva de 8,4% na receita, com destaque para o setor de Turismo e Hotelaria | Foto: Reprodução

Nesta última semana, cerca de 200 marcas foram reunidas na Expo Franchising ABF, no Rio de Janeiro, oferecendo oportunidades para empreendedores com investimento inicial que varia de R$ 4 mil a um pouco mais de R$ 2 milhões. O mercado de franchising se firmou na durante a pandemia, mostrando crescimento apesar do cenário econômico brasileiro.

Entre as marcas estreantes desta edição, apareceram a love Gifts, My Cookies, Prudential do Brasil, le BonTon, Clínica da Cidade, limpeza com Zelo, Mané, e outras. Outras com mais tempo de mercado também participaram, como Billy The Grill, iGui, Maple Bear, Spoleto, Espetto Carioca e Yes! Curso de idiomas.

“Temos uma demanda reprimida que quer investir. O mercado está reagindo e está animado com a retomada da economia. Teremos diversas novidades positivas para os visitantes, com modelos de negócios diferenciados para todos os perfis. Somos a única edição de feira física oficial do sistema de franquias no Brasil em 2021, portanto, temos uma grande responsabilidade”, destacou Beto Filho, presidente da Associação Brasileira de Franchising (ABF) Seccional Rio de Janeiro.

No acumulado dos últimos 12 meses, uma pesquisa da ABF mostra que o setor de franquias apresentou uma variação positiva de 8,4% em sua receita, com um avanço de R$ 168,177 bilhões para R$ 182,381 bilhões – próximo aos R$ 182,657 bilhões registrados no mesmo período em 2019. O setor totalizou ainda 1.388.560 trabalhadores diretos nos meses de julho, agosto e setembro deste ano.

O segmento com maior variação no 3º trimestre foi o de Turismo e Hotelaria, que apresentou uma recuperação de 53,1%. A retomada das viagens com o sentimento de amenização da Covid-19 é o principal impulsionador, devido à grande demanda reprimida e mudanças que o setor precisou fazer para se adequar ao novo momento durante o ano passado.

Em seguida, vêm Casa e Construção; e Saúde, Beleza e Bem-Estar com crescimentos de 10,8% e 9,1% respectivamente, sendo que, nos últimos 12 meses, no período de outubro de 2020 a setembro de 2021, o primeiro acumula uma variação positiva de 26,2%. A alimentação fora de casa, que teve um papel significativo com delivery, apresentou um aumento de 7,9% e Moda 7,25%, também no 3º trimestre. Ambos os segmentos se beneficiaram do aumento do movimento nos shoppings e da retomada do convívio social.

Potencial

“O setor gerou mais de 120 mil postos de trabalho diretos, mostrando a importância das franquias nesta área, principalmente para jovens. Com acesso mais fácil a crédito, menos burocracia e um sistema tributário mais equilibrado, estou seguro de que o setor poderia gerar ainda mais vagas, tendo um peso ainda maior na retomada da economia”, afirmou o presidente da ABF, André Friedheim. Ele atribui a evolução à retomada econômica, avanço da vacinação e o fim das restrições. De outro lado, investidores e profissionais vêm buscando opções de investimento e ocupação.

“O franchising permite ao empreendedor trabalhar em rede, em um ambiente colaborativo, adotar soluções inovadoras e identificar tendências, novos formatos, além de criar canais próprios de vendas e de conectar suas marcas a marketplaces”, disse Friedheim. “A forma como redes e franqueados reagiram à crise, para manter empregos e lojas abertas, foi e é fundamental para a retomada dos negócios e abre perspectivas positivas para 2021.”

Para Beto Filho, a entrada de jovens no empreendedorismo também é um fator decisivo para o aumento na procura por franquias. “Nos últimos anos, surgiram muitas franquias digitais, no mercado geek, de entretenimento e até em alimentação, com lanchonetes temáticas e/ou parcerias com personagens famosos, que têm um fit grande com este público”, contou.

O franchising está presente em cerca de 50% dos municípios, o que mostra seu potencial para crescer. “O fortalecimento das cidades menores já é uma realidade e mostrou que podemos elevar a qualidade de vida morando no interior sem sacrificar a profissão. isto vem chamando a atenção das redes, pois é uma oportunidade de expansão, tirando o peso da concentração, até de concorrentes”, diz Maurício Hiromi Matsumoto, consultor do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). (Especial para O Hoje)

Compartilhe: