Contra o Goiás, Dudu espera por jogo bem disputado e com clima quente

No próximo sábado (2), Atlético Goianiense e Goiás farão o segundo e decisivo confronto da final do Campeonato Goiano de 2022.

Postado em: 30-03-2022 às 20h43
Por: Breno Modesto
Com mais de 100 jogos pelo Atlético, Dudu tem a chance de conquistar seu segundo Goianão | Foto: Bruno Corsino/Atlético-GO

No próximo sábado (2), Atlético Goianiense e Goiás farão o segundo e decisivo confronto da final do Campeonato Goiano de 2022. Por ter vencido por 1 a 0 na ida, disputada no último sábado (26), no Estádio Antônio Accioly, o time comandado pelo técnico Umberto Louzer vai ao Estádio da Serrinha com a vantagem de poder empatar para ficar com o título estadual.

Assim como foi no Castelo do Dragão, a tendência é de que o duelo na casa esmeraldina seja quente, principalmente após a polêmica arbitragem de Eduardo Tomaz, no último final de semana. Além disso, outro fator pode se tornar uma dificuldade para o Dragão, como enxerga o lateral-direito Dudu. Para o camisa 2, a presença da torcida adversária tornará o jogo de sábado (2) ainda mais difícil.

“Eu acho que sim. Por se tratar de um clássico, de uma final, o clima já fica bem quente, bem disputado e muito bem jogado, que eu creio que foi o que aconteceu na primeira partida. Mas eu acredito que será um jogo muito mais pegado, muito mais difícil do que foi a primeira partida, por conta de ser na casa do adversário. Então, vai ser um jogo muito tenso. Espero que estejamos todos concentrados, para sair de lá (Serrinha) com o título”, disse Dudu.

Continua após a publicidade

Para o confronto na Serrinha, o Esmeraldino não terá a presença do atacante Vinícius, que se lesionou no Antônio Accioly. De acordo com Dudu, a ausência do jogador, que foi um dos principais nomes do Goianão, facilita um pouco seu trabalho diante do Goiás. No entanto, o lateral acredita que, quem o substituir, também dará trabalho.

“(Facilita) um pouco. Mas eu creio que, quem entrar, não será um jogador que está no Goiás por acaso e que pode, sim, dar conta do recado. No primeiro jogo, entrou o Apodi, que é um cara que já jogou em muitos times do Brasil e foi muito bem por onde passou, o que não é diferente de agora, no Goiás. Ele é diferente. É um cara muito difícil de se marcar. Mas o Vinícius tem a qualidade dele. É um grande jogador, que estava em um grande momento. Mas tenho certeza de que, quem entrar, também vai ser muito difícil de ser marcado”, comentou Dudu.

Apesar da vantagem do empate, Dudu espera que o Rubro-Negro não abdique de jogar e, com inteligência, saia ao ataque, como fez contra o Vila Nova, na semifinal. Para ele, se o Atlético conseguir ir ao ataque e marcar um gol, estará mais perto de ficar com a taça.

“Desde que o Umberto (Louzer) chegou (no Atlético), foi o que ele nos pediu. E, se chegamos na final, foi porque nós fizemos isso. Quando tivemos a vantagem, em nenhum momento nós fomos para trás ou nos retraímos. Sempre tentamos colocar a bola no chão e jogar, atacar o adversário. E é o que vamos fazer, porque, se conseguirmos fazer um gol, vamos ficar mais perto dos títulos”, finalizou o lateral.

Veja Também