Confira os números e detalhes do circuito que vai marcar o retorno da Stock Car ao Rio de Janeiro

Neste final de semana acontece o tão aguardado retorno da Stock Car ao Rio de Janeiro. A terceira etapa da temporada 2022

Postado em: 05-04-2022 às 11h33
Por: Ildeu Iussef
Circuito montado no Aeroporto Internacional RioGaleão – Tom Jobim, na Ilha do Governador, recebe o nome de Cacá Bueno | Foto: Marcelo Machado de Melo/Stock Car

Neste final de semana acontece o tão aguardado retorno da Stock Car ao Rio de Janeiro. A terceira etapa da temporada 2022 será disputada neste domingo (10) a partir das 13h20, horário da primeira largada das duas provas que são realizadas em sequência; e o que traz ainda mais expectativa é a nova pista que será o palco da prova: o Aeroporto Internacional RioGaleão – Tom Jobim, na Ilha do Governador.

A Stock Car retorna ao Rio de Janeiro pela primeira vez em quase dez anos. O intervalo entre a última corrida, em 2012, e a do fim de semana é de 3.921 dias.

A última vez que a Stock Car disputou uma prova no Rio de Janeiro foi no dia 15 de julho de 2012, no extinto Autódromo Internacional Nelson Piquet em Jacarepaguá. Na ocasião, a vitória foi de Allam Khodair, defendendo a equipe Vogel, hoje do atual campeão Gabriel Casagrande.

Continua após a publicidade

Aquela prova foi a de número 42 da história da Stock Car em solo carioca e a de número 375 na contagem geral da categoria. Quase 10 anos depois, a principal competição de automobilismo da América Latina retorna à Cidade Maravilhosa para as corridas de número 43 e 44 no Rio de Janeiro e as de 565 e 566 na contagem total.

12 pilotos (35,3%) do grid daquela última prova seguem no plantel atual: Allam Khodair, Thiago Camilo, Ricardo Maurício, Denis Navarro, Cacá Bueno, Julio Campos, Daniel Serra, Galid Osman, Marcos Gomes, Ricardo Zonta, Átila Abreu e Diego Nunes. Enquanto 22 competidores (64,7%) vão correr pela Stock Car no Rio pela primeira vez, inclusive pilotos experientes como Rubens Barrichello, Felipe Massa, Nelsinho Piquet, além do atual campeão Gabriel Casagrande.

O Circuito Cacá Bueno

O traçado foi montado nas pistas de pouso e decolagem do Aeroporto Internacional RioGaleão – Tom Jobim. Em homenagem ao pentacampeão da categoria, o circuito foi batizado de Cacá Bueno, único carioca regular no grid. No fim de semana, ele ganhará a companhia do conterrâneo Thiago Vivacqua, que irá estrear pela RKL Competições.

Os atributos do circuito quase o caracterizam como um oval. Das sete curvas, seis são para a direita e apenas uma à esquerda. São 3.226 metros, e neste percurso os pilotos deverão andar em aceleração máxima por cerca de 2.151 metros, ou 64% do tempo de volta, estimado inicialmente em 1min05s.

As simulações sugerem uma média de velocidade na ordem de 175 a 180 km/h, tornando a pista do Circuito Cacá Bueno a segunda mais veloz da temporada – atrás somente do oval de Goiânia. Outro detalhe que as equipes já estão levando muito em consideração é a superfície da pista, 100% de concreto, em vez do asfalto habitual. A principal diferença é o nível de aderência oferecido pelo concreto, mais alto, inclusive em situações de pista molhada.

Veja Também