A construção e os números do Circuito Cacá Bueno que vai sediar a primeira corrida em um aeroporto comercial no Brasil

Postado em: 08-04-2022 às 10h02
Por: Ildeu Iussef
Circuito da Stock Car no Aeroporto RIOgaleão começou a ser montado na última segunda-feira | Foto: Magnus Torquato/Stock Car

Os pilotos e o público podem esperar por corridas de alta intensidade e muita velocidade no GP Galeão, que será disputado no próximo domingo (10), a partir das 13h20. O evento, válido pela terceira etapa da Stock Car Pro e segunda do campeonato da categoria de acesso Stock Series, será o primeiro no Brasil realizado na pista de um aeroporto comercial.

Com características muito particulares, o Circuito Cacá Bueno, batizado em homenagem ao pentacampeão da Stock Car, foi montado no Aeroporto Internacional RIOgaleão Tom Jobim, na capital fluminense. O traçado vai oferecer grandes desafios aos competidores em razão das altas velocidades, da largura da pista e do piso de concreto, original do Aeroporto RIOgaleão.

Inspirações em pista da Indy e anel externo

Desenvolvido pelo escritório do engenheiro Luis Ernesto Morales, Presidente da Comissão Nacional de Circuitos da CBA (Confederação Brasileira de Automobilismo) e membro da Comissão de Circuitos da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) desde 2017, o percurso tem a previsão de ser realizado em menos de 1 minuto, como é, por exemplo, o veloz anel externo de Goiânia.

“A velocidade final vai ser maior que a de Goiânia em razão da somatória de semirretas do trecho chamado Complexo da Gávea, que totaliza 1.550 metros. A tendência é que a velocidade final chegue na casa dos 260 km/h com o acionamento do push-to-pass. A ideia é que o traçado do Galeão tenha uma característica semelhante à de um circuito tipo anel externo, como o de Goiânia: de alta velocidade e de maior parte da volta em alta aceleração. A dinâmica da corrida vai depender de como os pilotos vão implementar o ritmo, e isso vamos descobrir a partir do sábado”, disse Luis Ernesto.

A montagem da pista exigiu a produção de diversas peças especiais. Entre elas estão as zebras metálicas, que serão presas ao piso por uma cola de altíssima resistência. Também serão empregados 200 blocos de concreto com quatro metros de comprimento e cerca de 2,7 toneladas de peso. Outro elemento construtivo são os 270 módulos de pneus agrupados, formando barreiras que ocuparão 420 metros de extensão da pista, empregando um total de 8.200 pneus.

Marcelo Machado de Melo/Stock Car

Além de homenagear Cacá Bueno com o nome do circuito, a Stock Car também está lembrando da história do automobilismo do Rio de Janeiro. Os trechos da pista receberam o nome de circuitos de rua daquele estado e importantes no esporte a motor brasileiro. Desde 2012, com a demolição de Jacarepaguá, a Stock Car não disputa provas no Rio de Janeiro.

Números do Circuito Cacá Bueno

Extensão da pista: 3.225 metros;

Número de curvas: 7 (6 para a direita e uma para a esquerda);

Trechos de retas: 3;

Extensão das retas: 702 metros (entre as curvas 7 e 1), 1.030 metros (entre curvas 1 e 2), e 520 metros (entre as curvas 3 e 4);

Trecho de aceleração máxima: 1.550 metros (entre as curvas 1 e 4);

Largura da pista: 24 metros na maior parte do trecho e 12 metros na curva 2 e entre curvas 6 e 7;

Blocos de concreto: 200 peças de 4 metros e 2,7 toneladas cada;

Barreiras de pneus: 270 módulos, 420 metros de extensão, total de 8.200 pneus.

Compartilhe: