Emprestado pelo Atlético-MG ao Alverca, Michael diz que empréstimo ao clube português o fez amadurecer taticamente

Postado em: 13-05-2022 às 10h25
Por: Breno Modesto
Desde o começo do ano no Alverca, o goleiro Michael já fez, até aqui, uma partida pelo clube português | Foto: FC Alverca

Brasil e Portugal sempre foram países muito próximos no mundo do futebol, principalmente por conta de terem o mesmo idioma. Se, no passado, os jogadores brasileiros eram figuras certas no futebol português, nos dias de hoje, o mais comum é vermos os treinadores portugueses no comando técnico de diversos dos clubes do nosso país.

No entanto, ainda há vários atletas brasileiros em Portugal. E um deles é o goleiro Michael Fracaro, que volta ao país para atuar pelo seu segundo clube. Em 2021, ele defendeu o Paços de Ferreira. Agora, está no Alverca. Apesar do pouco tempo no continente europeu, o arqueiro diz que, além de conhecer uma nova cultura, tem adquirido mais entendimento tático em sua profissão.

“Além de conhecer melhor uma nova cultura e adquirir experiência de um futebol mais tático, aperfeiçoou muito meu jogo com os pés e saída de bola. Acredito que isso faça muita diferença junto aos outros atributos já desenvolvidos. Hoje, sou um goleiro mais completo, por estar aqui, mas também, um goleiro com fome de aprender mais e mais”, disse Michael.

Entre 2014 e 2020, Michael vestiu a camisa do Atlético-MG, que ainda é o detentor de seus direitos, onde compartilhou, além do vestiário, várias experiências com o goleiro Victor, que se aposentou no início do ano passado. O arqueiro conta que, além de um amigo, “São Victor”, como era chamado pela torcida do Galo, foi um professor para ele, auxiliando-o não só dentro de campo, mas também fora dele.

O Victor é um grande amigo. Um cara que sempre foi um grande professor pra mim, não só sobre dentro de campo, mas fora também, de como são as coisas e como funcionam. Ele me ensinou muito sobre sua mentalidade, sobre a sua liderança e, sem dúvidas, me ensinou muito a como ser uma pessoa centrada nos objetivos, que transpareça segurança e gere respeito com atitudes, por onde passar”, explicou o goleiro.

Quanto à adaptação, Michael faz rasgados elogios a Portugal, país onde está pela segunda vez na vida. Segundo o arqueiro, ele tem se adaptado bem e de uma forma tranquila, onde busca aprender, a cada dia, algo novo sobre o lugar onde está.

“É um país sensacional, com uma cultura sensacional. É minha segunda passagem aqui e tenho certeza que há um caminho muito vitorioso nessas terras reservado a mim. A adaptação foi tranquila e creio, cada vez mais, que a melhor forma de se adaptar é buscar aprender dia após dia algo novo sobre o lugar que está. Tenho aprendido muito sobre o futebol aqui e também sobre a culinária, que é maravilhosa”, contou Michael.

Nos últimos anos, grande parte dos clubes brasileiros têm apostado em treinadores portugueses, principalmente depois dos sucessos de Jorge Jesus, em 2019, à frente do Flamengo, e Abel Ferreira, que está no comando do Palmeiras desde novembro de 2020. De acordo com Michael, um dos fatos que podem contribuir para o aumento dos lusitanos no Brasil é o fato de Portugal dar muita importância ao futebol brasileiro.

“Pode se notar que há um acompanhamento muito mais intenso sobre o futebol brasileiro aqui em Portugal. Há canais que transmitem o Campeonato Brasileiro em horários que há bons jogos aqui. Então, isso já se diz muito sobre o impacto que esses treinadores portugueses, que estão fazendo um ótimo trabalho no Brasil, têm trazido para cá. Hoje, os portugueses conhecem, falam e discutem o futebol brasileiro com muito mais argumentos do que antes”, revelou o goleiro.

Recentemente, Michael completou 27 anos de idade. Dentro dos gramados, o goleiro espera que seu presente seja conseguir ajudar sua equipe com o acesso à segunda divisão portuguesa. Fora das quatro linhas, o desejo do arqueiro é que o seu novo ciclo seja o começo de grandes conquistas.

“O mais importante, para mim, é que eu e minha família estejamos bem e saudáveis. Profissionalmente, pretendo ajudar a equipe a subir de divisão. A partir daí, aguardar o desenrolar das minhas situações contratuais e, só depois, focar nas próximas metas e objetivos. Mas tenho em mente que é um ano de virada de chave da minha carreira. Se há algo que eu posso pedir a Deus é que tudo aconteça conforme a vontade dEle e que possa ser o começo de grandes conquistas”, finalizou Michael.

Compartilhe: