O atleta paralímpico João Saci fala sobre sua luta contra o câncer no ”Papo Xadrez”

No início, tudo não passava de alguns inchaços no joelho, relata João Saci

Postado em: 15-06-2022 às 10h17
Por: Guilherme de Andrade
No início, tudo não passava de alguns inchaços no joelho, relata João Saci | Foto: Pedro Pinheiro

Aconteceu nesta segunda-feira (13), a 17° transmissão do ‘Papo Xadrez’. O podcast convidou aos estúdios do ‘o Hoje’, o atleta paralímpico João Carlos Rodovalho Costa, conhecido como ‘João saci’. durante o bate-papo, João conta de sua luta contra o câncer, diagnóstico que recebeu cinco vezes ao longo da vida, e também de sua trajetória com o esporte, até alcançar o everest. esse encontro segue disponível na íntegra no canal youtube ‘papo xadrez’.

João conta que desde cedo o esporte fazia parte de sua vida, quando descobriu o primeiro tumor ele já fazia natação há um ano. No início, tudo não passava de alguns inchaços no joelho e dores quando fazia muito esforço, mas com o tempo um pequeno caroço apareceu. Veio o primeiro diagnóstico, ainda na adolescência. Apesar do tratamento, o pequeno caroço cresceu, e no dia 1° de Junho de 2001 ele fez a cirurgia para amputar sua perna. 

Encarando, ainda jovem, todas as consequências da amputação e do tratamento que se seguiu, João encontrou no esporte um caminho a seguir. ele conta que ao entrar na piscina, depois da cirurgia, e perceber que era tão bom quanto seus colegas, viu que “não vai ser a ausência da perna que vai me limitar em alguma coisa”. Hoje ele recomenda atividade física para todos na mesma situação que ele, não apenas pelo físico mas também pela parte emocional. “Todo amputado precisa fazer atividade física”, conclui incisivo. 

Continua após a publicidade

Apesar da postura bem resolvida que tem hoje, João diz que o processo de aceitação da perda do membro é longo. Da negação às dores fantasmas, da aceitação do outro para o processo de auto-aceitação, essa construção acontece para ele ainda hoje. “A grande sacada foi justamente eu não me questionar ‘porque comigo?’, foi eu encontrar um motivo, um propósito muito maior no meu sofrimento”, ele compartilha a mudança de postura. 

Depois de cinco diagnósticos de câncer, João fez o que muitos não fizeram e se tornou mais uma vez inspiração: com apenas uma perna e um dos pulmões chegou à base do monte Everest. Com fôlego de sobra, o atleta já planeja a próxima escalada, no Alaska, e fala sobre o lançamento de um documentário sobre suas expedições. satisfeito, ele diz que se pudesse mudar algo em sua história “não mudaria nada, porque a minha vida da forma que está hoje, é a vida que eu queria ter”. 

Dos momentos mais difíceis, quando sua mãe precisou interná-lo à força para continuar o tratamento, até a “glória” que vive hoje, João tenta resumir sua trajetória: “O que eu fiz foi viver aquilo que era permitido naquele momento, então eu vivi um dia de cada vez”. 

Na voz dos apresentadores 

Foto: Pedro Pinheiro

Buscando saber das impressões que Felipe Cardoso teve do encontro com ‘saci’, o apresentador resume: “conversar com João nos força a colocar muita coisa em perspectiva”. Felipe não poupa elogios à determinação do atleta e diz que sua jornada lhe serve como inspiração. “Chegar no que se imagina ser o fundo do poço, e depois enxergar nessa situação a possibilidade de ser alguém melhor, é de uma força admirável”, concluiu o apresentador.

Yago Sales se mostrou contente e surpreso depois do encontro desta semana. “Eu não sei se eu conseguiria encarnar a mesma postura que João diante de tantos desafios”, afirma o apresentador. Yago conta que a forma como o atleta “vive” os momentos difíceis, e não apenas “sobrevive” a eles, mudou não apenas sua forma de escrever mas também, em parte, a forma como encara a vida. “Na próxima viagem para as montanhas, eu vou junto” finaliza, bem humorado.

Nos últimos episódios 

O ‘Papo Xadrez’ alcança sua 17° edição com o atleta paralímpico João Saci. Sua trajetória de força e superação é apenas uma das histórias que passaram pelos estúdios do jornal ‘o Hoje’. Das conversas que já aconteceram no podcast pode-se destacar: a construção constante e desafiadora da carreira de Sarah frota nos ringues do MMA, a vida de Zé Capeta nas festas de peão brasil a fora e, também, os segredos do mundo da produção musical com Ivan Miyazato. Todos os encontros que aconteceram até aqui estão disponíveis na íntegra pelo canal Youtube ‘Papo Xadrez’.

Na última segunda-feira (6), aconteceu a transmissão do 16° episódio com o tatuador Jander Rodrigues. O artista goiano fala desde o momento em que soube que a tatuagem seria o caminho profissional a se trilhar, até o presente, onde já se mostra como um mestre consolidado. Dos momentos iniciais ainda em Quirinópolis, quando visitou o primeiro estúdio que havia visto na vida, até os dias atuais: Jander é exemplo de dedicação, compromisso com a arte e profissionalismo.

A 15° edição do ‘Papo Xadrez’ foi com o produtor cultural, músico e compositor Carlos Brandão. Com mais de 50 anos de atividade na capital goiana, o nome de Brandão é conhecido por toda cidade: seja pelo seu tempo na direção do chorinho, ou do teatro Goiânia, ou do Martim Cererê. Orgulhoso da trajetória como produtor da vida cultural da cidade, ele conclui exaltando a capital: “para mim é a melhor cidade que tem no mundo”.

Veja Também