Empreendedorismo feminino: Bárbara Prado no ‘Papo Xadrez’

Postado em: 22-06-2022 às 09h03
Por: Ana Bárbara Quêtto
Convidada conta dificuldades de se lançar no ramo da beleza enquanto gerencia com a irmã| Foto: Pedro Pinheiro

Aconteceu nesta segunda-feira (20) a 18° transmissão do ‘Papo Xadrez’. O podcast convidou aos estúdios do grupo ‘O Hoje’ as empresárias Bárbara e Bethânia Prado. 

Apesar da ausência de Bethânia por problemas médicos, Bárbara contou as dificuldades do empreendedorismo dentro do ramo da beleza enquanto gerencia o espaço Illuminé, com a parceria da irmã. Esse encontro segue disponível na íntegra no canal Youtube do ‘Papo Xadrez’.

 A empreendedora afirma que desde a infância brincava de salão em casa. “Eu fazia minha unha em casa, uma fazia o cabelo da outra. Eu acho que hoje a profissão, você tem ela de berço, ela é o seu sonho”, disse Bárbara. Ela conta que, por ser uma profissão que não pede diploma, o cabeleireiro sofre preconceito até pela própria família. 

As duas irmãs são de Aparecida de Goiânia, e ao mencionar aos pais que gostariam de trabalhar no salão de beleza o pai ficou um pouco apreensivo. No entanto, ambas sempre tiveram o apoio materno. Bethânia entrou primeiro no ramo, mas logo em seguida Bárbara, aos 19 anos, também conseguiu uma vaga como cabeleireira, após uma semana treinando no cabelo da mãe. 

Bárbara conta que agora o segmento mais procurado no salão é a transição capilar. “Antigamente tinha aquela coisa “o liso é bonito” e não existe isso mais. Hoje, as cacheadas são lindas. Então elas ainda não têm aquela sensibilidade de lidar com esse fato, de assumir. Nós perdemos muitas progressivas”, relata a empresária. 

A empreendedora explica que voltar à naturalidade capilar não é somente parar de alisar o cabelo. Na transição é necessário adicionar nutrientes, que o cabelo perdeu durante o alisamento, para deixar o cabelo saudável. Além disso, ela fala que a volta dos cabelos naturais também é uma questão de empoderamento feminino. “Elas têm que empoderar a beleza que elas têm”, afirma. 

Ao falar sobre mudanças capilares, Bárbara diz que uma mudança muito drástica pode impactar na vida da cliente, apesar do Illuminé trabalhar com o visagismo. “Se eu tiver o cabelo preto por 20 anos e ir pro loiro eu vou estranhar. No dia que eu fiz meu cabelo eu fui parar no hospital, me deu uma crise de ansiedade, gastrite, pois eu já tinha minha identidade visual”.

Na voz dos apresentadores 

Durante as considerações finais do bate papo, os dois entrevistadores, Yago Sales e Felipe Cardoso, se mostraram contentes após a prosa. Nos últimos minutos, Yago fala sobre a importância de ouvir diferentes histórias. O jornalista resume: “São dois machos falando de cabelo, mas é interessante porque a gente tem que ter a sensibilidade de ouvir e o cuidado de como colocar as coisas”.

 Felipe também não poupa elogios ao trabalho da empresária. “Vinte e cinco anos, tão jovem e empreendedora, empresária, rica e líder. E eu queria aproveitar e desejar melhoras à Bethânia, que não pode estar aqui”, disse o jornalista. Os dois agradecem a presença de Bárbara e se despedem. “Eu vou lá no salão dela semana que vem”, finaliza os dois, bem humorados.

Nos últimos episódios

 O ‘Papo Xadrez’ alcança sua 18°edição com a empresária Bárbara Prado, cabeleireira e dona do salão Iluminé. Sua trajetória de funcionária para empreendedora é apenas uma das histórias que passaram pelos estúdios do jornal ‘O Hoje’. Das conversas que já aconteceram no podcast pode-se destacar: a trajetória de força superação do atleta paralímpico, João Saci, a construção constante e desafiadora da carreira de Sarah Frota nos ringues do MMA e, também, a vida de Zé Capeta nas festas de peão Brasil a fora. 

Todos os encontros que aconteceram até aqui estão disponíveis na íntegra, pelo canal no Youtube ‘Papo Xadrez’. 

Na última segunda-feira (13/6), aconteceu a transmissão do 17° episódio, com o atleta paralímpico João Carlos Rodovalho Costa, conhecido como ‘João Saci’. Durante o bate papo, João conta de sua luta contra o câncer, diagnóstico que recebeu cinco vezes ao longo da vida, e também de sua trajetória com o esporte, até alcançar o Everest. “não mudaria nada, porque a minha vida da forma que está hoje, é a vida que eu queria ter”.

 A 16° edição do ‘Papo Xadrez’ foi com a participação do tatuador Jander Rodrigues. O artista goiano fala sobre o momento em que soube que a tatuagem seria o caminho profissional a se trilhar, até o presente, onde já se mostra como um mestre consolidado. Dos momentos iniciais ainda em Quirinópolis, quando visitou o primeiro estúdio que havia visto na vida, até os dias atuais: Jander é exemplo de dedicação, compromisso com a arte e profissionalismo.

Compartilhe: