Terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Prevent Senior teria ocultado mortes em estudo sobre cloroquina, indicam documentos

CPI investiga tratamentos feitos sem autorização e mortes suspeitas não informadas a familiares

Postado em: 16-09-2021 às 15h35
Por: Luan Monteiro
Imagem Ilustrando a Notícia: Prevent Senior teria ocultado mortes em estudo sobre cloroquina, indicam documentos
CPI investiga tratamentos feitos sem autorização e mortes suspeitas não informadas a familiares | Foto: Reprodução

O plano de saúde Prevent Senior, que realizou um estudo com o medicamento Hidroxocloroquina, ocultou mortes de pacientes que participaram da pesquisa que combinava o medicamento, associada à azitromicina, para tratar a Covid-19. A informação é de um dossiê obtido pela GloboNews.

A pesquisa foi apoiada pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem partido) que, por grande parte da pandemia causada pelo novo coronavírus, foi o principal garoto propaganda do medicamento.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da pandemia recebeu um dossiê com uma série de denuncias de irregularidades, elaborado por médicos do plano de saúde. O documento aponta que a disseminação da cloroquina e outros medicamentos ocorreu devido um acordo entre o Prevent Senior e o governo federal.

Continua após a publicidade

A GloboNews teve acesso à planilha com nomes e informações de saúde de todos os participantes do estudo. Nove morreram durante a pesquisa, porém, apenas dois óbitos foram relatados no estudo.

Em nota, a operadora informou que “sempre atuou dentro dos parâmetros éticos e legais e, sobretudo, com muito respeito aos beneficiários”.

A pesquisa teve início em 25 de março. Em mensagem publicada em grupos de aplicativos de mensagem, o diretor do Prevent, Fernando Oikawa, fala sobre o estudo e recomenda que subordinados não informem a familiares das vítimas sobre o uso da medicação.

“Iremos iniciar o protocolo de HIDROXICLOROQUINA + AZITROMICINA. Por favor, NÃO INFORMAR O PACIENTE ou FAMILIAR, (sic) sobre a medicação e nem sobre o programa”, dizia mensagem do diretor da Prevent.

Dos noves pacientes que morreram, seis tomaram a combinação de cloroquina e azitromicina. Dois não tomaram o medicamento e há um paciente cuja tabela não informa se ingeriu ou não a medicação.

Com isso, se conclui que houve ao menos o dobro de mortes entre os pacientes que tomaram a combinação.

Veja Também