Fenômeno subtropical chega ao Brasil com ventos de 100 km/h; entenda a relação com a frente fria

Postado em: 17-05-2022 às 16h28
Por: Victória Vieira
As rajadas de frio chegaram a 100 quilômetros por hora, chegando primeiro à costa do Rio Grande do Sul | Foto: Reprodução

Nesta terça-feira (17), um fenômeno subtropical atingiu o Sul do Brasil. O ciclone Yakecan chegou com ventos de 10 km/h, deixando a Defesa Civil em alerta, preparando manuais com recomendações de autoproteção para situações emergenciais. As rajadas de frio chegaram a 100 quilômetros por hora, passando primeiro à costa do Rio Grande do Sul, por Santa Catarina e Paraná, também transitando pela região sul de São Paulo.

O nome Yakecan é de origem tupi-guarani e significa “o som do céu”. O diretor do Instituto Nacional de Meteorologia, Miguel Ivan, durante a coletiva de imprensa ocorrida nesta segunda-feira, comentou que se os ventos aumentarem, eles podem seguir para a costa do Sul e impactar a vida das pessoas a partir de três ou quatro dias. A Marinha afirmou que o deslocamento previsto é na direção oeste/noroeste da costa gaúcha, entre esta noite e na quarta-feira (18/5).

Apesar dos ventos de 10km/h, Ivan relatou que não há razão para pânico pois os ventos não classificam-se como furacão, porém pode virar. “A quantidade de ventos chega a 70 quilômetros por hora. Até 120, é tempestade tropical. Acima de 120, é furacão. Há possibilidade de que isso aconteça em um ou dois dias.”, acrescentou.

De acordo com a coordenadora de Meteorologia do Inmet, Marcia Seabra, os ciclones estão associados à frente fria, que chegou ao Brasil nesta semana. “Essa frente em específico passou o ciclone extratropical, só que se desprendeu dessa frente. Isso faz com que ele mude de categoria e vire um fenômeno subtropical, porque está bem no extremo do Rio Grande do Sul.”, explicou. Além disso, as frentes frias também provocaram chuvas de granizo e tempestades isoladas no estado do Rio de Janeiro.

Compartilhe: