Deputados vestem camisa da gestão compartilhada

Postado em: 03-02-2016 às 00h00
Por: Redação
Presidente da Assembleia, Helio de Sousa e demais deputados da base aliada hipotecam apoio ao projeto do governo, em reunião com Raquel Teixeira

Venceslau Pimentel

Em reunião, ontem, com deputados que fazem parte da base aliada ao governador Marconi Perillo (PSDB), na Assembleia Legislativa, a secretária da Educação, Raquel Teixeira, explicou como se dará a gestão das escolas públicas estaduais por organizações sociais, e ouviu dos parlamentares o compromisso de defender esse projeto no Parlamento.

Mais uma vez a secretária enfatizou que o trabalho das OSs nas escolas ficará restrito à gestão administrativa e que a parte pedagógica continua sendo definida pela Secretaria. Ao mesmo tempo, disse quefiscalização desse trabalho será feita por uma comissão interna da Secretaria, pela Controladoria Geral do Estado (CGE) e Procuradoria Geral do Estado (PGE). “Eles farão uma avaliação profunda da atuação desses parceiros”, garantiu.

O encontro, no Centro Cultural Oscar Niemeyer, foi agendado pelo deputado Talles Barreto (PTB), que contou com as presenças do presidente da Assembleia, Helio de Sousa (DEM), Júlio da Retífica e Mané de Oliveira, do PSDB, Sérgio Bravo (Pros), Francisco Júnior (PSD), Mané de Oliveira (PSDB), Talles Barreto (PTB), Jean Carlos (PHS) e Lucas Calil (PSL), além de superintendentes da Secretaria.

Barreto, que preside as comissões de Constituição e Justiça e Redação (CCJ) e Mista da Assembleia, explicou que a missão dos deputados da base governista é contribuir na defesa do projeto. “Eu não tenho dúvida de que a gestão compartilhada com as OSs vai dar certo e que será um marco para Goiás”

Por sua vez, Raquel falou das justificativas de Marconi em adotar a gestão compartilhada. “A encomenda do governador foi singela: quero uma escola para pessoas de baixa renda tão boa quanto a escola de pessoas ricas. Disse que em 2015 foi discutido e formatado um modelo que atendesse a esse desejo. “Hoje temos um projeto, legalmente amparado e que vai possibilitar uma escola com estrutura e ensino de qualidade sem cobrar nada do cidadão”, salientou.

Sobre questionamentos feitos por quem se coloca contra essa proposta, a secretária explicou que nas escolas com gestão compartilhada os professores concursados continuam efetivos e os temporários serão regidos pela CLT, após um processo seletivo. Já os diretores também continuarão sendo eleitos pela comunidade. “É o jogo de ganha-ganha. Todo mundo será beneficiado”, afirmou. “Temos um projeto único e inovador, feito com todo cuidado do mundo. Eu não tenho direito de errar. Tenho compromisso com esses alunos que têm direito ao estudo”, arrematou.

Por entender que a proposta do governo visa a melhoria da qualidade do ensino na rede pública estadual, Helio de Souza se colocou à disposição para usar o plenário da Assembleia na defesa do projeto “A Assembleia sempre acreditou que o governador tem projetos diferenciados. Seria mais cômodo para ele não colocar Organizações Sociais, mas ele escolheu lutar pela melhoria. E nós vamos lutar juntos. Estamos à disposição”, disse. 

Compartilhe: