Disputa sucessória tem 8 pré-candidatos em Goiânia

Sem concenso, partidos ainda passam por disputas internas em busca do candidato para disputar a prefeitura da capital

Postado em: 14-02-2016 às 00h00
Por: Redação
Sem concenso, partidos ainda passam por disputas internas em busca do candidato para disputar a prefeitura da capital

Sara Queiroz (Especial para O Hoje)

Até o momento as disputas para as eleições em Goiânia contam com oito nomes, alguns do mesmo partido ou da mesma base aliada. Pelo PSDB, os candidatos que vão disputar as prévias do partido são o vereador Anselmo Pereira e o deputado federal Giuseppe Vecci. No PT, a disputa interna é entre os deputados estaduais Adriana Accorsi e Luis Cesar Bueno. O PSD, partido da base aliada do governador Marconi Perillo (PSDB), também apresenta para a pré-candidatura os nomes dos deputados estaduais Virmondes Cruvinel e Francisco Júnior. O PMDB aposta no ex-prefeito da capital, Iris Rezende, apesar do peemedebista ainda não ter confirmado se irá participar do pleito. Por fim, Vanderlan Cardoso, ex-prefeito de Senador Canedo, também entra na disputa pelo PSB.

É provável que a capital tenha cinco ou mais candidatos para a sucessão de Paulo Garcia (PT). O deputado federal Waldir Soares (PSDB) já anunciou que vai disputar o pleito por outro partido, depois que deixar o ninho tucano. As apostas sobre o futuro de Waldir são o PR ou o recém-criado Partido da Mulher Brasileira (PMB). Além desses partido, o PC do B e Psol também devem lançar candidaturas próprias.

Continua após a publicidade

No PSDB é praticamente certa a indicação de Vecci para a disputa. Apesar das prévias confirmadas para o dia 21, há rumores da possível desistência de Anselmo que deixaria o deputado federal como único candidato do partido. Se não desistir, a aposta da maioria dos tucanos é que Vecci vença Anselmo com folga.

Adriana Accorsi e Luis Cesar Bueno medem forças internamente dentro do Partido dos Trabalhadores, mas outros nomes como o do deputado Humberto Aidar, do ex-reitor da Universidade Federal de Goiás (UFG), Edward Madureira, e da ex-deputada federal Marina Sant’Anna ainda não foram descartadas, segundo o presidente regional do partido, Cesér Donisete. Ele acredita em um consenso dos pré-candidatos antes da chegada das prévias, que ainda não têm data marcada: “Eu prefiro acordo antes da prévia. Mas isso é reflexão dos companheiros”.

Apesar do expressivo número de votos nas eleições de 2014 e de aparecer bem colocada em algumas pesquisas realizadas, Adriana Accorsi esbarra na boa relação de Luis Cesar Bueno com o diretório estadual, senhdo que ele preside o metropolitano. Segundo Céser Donisete, há também outro fator que poderá ser decisivo na escolha do candidato petista: o atual prefeito, Paulo Garcia. “Goiânia é coordenada por nós e, por isso, precisamos conversar com o Paulo, ouvir a opinião de quem participa do governo”. Para Céser, a definição de um nome deve sair até junho, o que segundo ele, seria um tempo necessário para que o escolhido consiga trabalhar em cima de alianças e projetos para ser apresentados na campanha. 

Iris não tem concorrentes no PMDB 

Apesar de não ter dado nenhuma anúncio oficial, Iris Rezende é o único nome colocado pelos peemedebistas até hoje. O ex-prefeito ainda não deu sinais que irá se candidatar novamente a prefeitura de Goiânia, mas nos bastidores comentasse que ele é o único candidato viável para essa disputa. O apoio ao nome de Iris veio inclusive do novo presidente do partido, Daniel

Vilela, que no dia de sua eleição no diretório disse querer que o veterano peemedebista seja candidato.

Por enquanto, nenhum plano B foi levantado pelo partido, porém, algumas conversas com possíveis aliados estão abertas caso o peemedebista opte por não se candidatar. Entre possíveis aliados está Vanderlan Cardoso, um dos primeiros pré-candidatos a mostrar interesse pelo pleito da capital.

No PSB, Vanderlan busca alianças para encabeçar uma chapa com possibilidade de vitória. Alguns pessebistas e tucanos apostaram em uma aproximação do ex-prefeito de Senador Canedo com a base aliada do governador após a filiação da senadora Lúcia Vânia, porém nada ainda foi acordado. E mesmo que não saia aliado a base, a aposta é que será difícil fazer oposição total ao governo estadual com a presença da senadora no partido.

PSD

A participação na base aliada do governo não impediu que o PSD quisesse lançar candidatos próprios em Goiânia. Com pretensões para participar do pleito desde o ano passado Francisco Júnior e Virmondes Cruvinel se declararam pré-candidatos pelo partido. Ao contrário dos demais partidos, o clima entre os dois candidatos não é de grande disputa. É possível que a escolha seja feita ainda no final desse mês ou no início de março. 

Veja Também