PT Goiás repudia corte à palavra de Mauro Rubem em sessão da Câmara; “atitude antidemocrática”

A nota, assinada pela presidente do PT Goiás, Kátia Maria, chamou o episódio de "antidemocrático".

Postado em: 12-07-2022 às 16h57
Por: Ícaro Gonçalves
A nota, assinada pela presidente do PT Goiás, Kátia Maria, chamou o episódio de "antidemocrático" | Foto: Reprodução

O Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) em Goiás emitiu nota de repúdio contra o vereador de Goiânia Clécio Alves (Republicanos) após o parlamente ter, segundo o texto, “cerceado a palavra” do vereador petista Mauro Rubem na sessão da Câmara na manhã desta terça (12/7).

Os ‘momentos de tensão’ ocorreram durante a sessão em que era debatida a aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de Goiânia para 2023. A nota, assinada pela presidente do PT Goiás, Kátia Maria, chamou o episódio de “antidemocrático”. Confira:

O Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores do Estado de Goiás, repudia veementemente a atitude antidemocrática do vereador Clécio Alves (Republicanos) que presidia interinamente a Câmara Municipal de Goiânia.

Continua após a publicidade

Clécio cerceou a palavra do vereador petista Mauro Rubem enquanto esse manifestava sua indignação sobre o assassinato de Marcelo Arruda, um Guarda Municipal filiado ao PT, na cidade de Foz do Iguaçu, e que ganhou repercussão nacional.

O PT Goiás repudia todo e qualquer tipo de violência, intolerância política e cerceamento das prerrogativas parlamentares de nossos representantes. O parlamento é o espaço da pluralidade de pensamento e não cabe silenciamento, indiferente da ideologia política.

Conclamamos a toda sociedade para que tenhamos eleições pautadas nos princípios democráticos, na paz, no debate de ideias, independente das escolhas partidárias“, finalizou texto.

Entenda o caso

Durante a discussão da (LDO) para 2023, os vereadores Clécio Alves (Republicanos) e Mauro Rubem (PT) protagonizaram uma discussão acalorada. Mauro manifestava indignação sobre o assassinato de Marcelo Arruda, um Guarda Municipal filiado ao PT na cidade de Foz do Iguaçu que foi morto durante uma festa de aniversário.

Leia mais: Bolsonarista invade festa com temática do PT e mata aniversariante em Foz do Iguaçu (PR)

Clécio, que presidia o ato, interrompeu o petista, alegando desvio de assunto e citando a facada que atingiu o presidente Jair Bolsonaro (PL) durante a eleição de 2018. Na discussão, ele ainda apontou as investigações que o PT era alvo.

Mauro continuou, e dirigiu críticas à gestão do prefeito Rogério Cruz (Republicanos), do mesmo partido de Clécio. Foi quando o presidente interino interrompeu o colega, cortou seu áudio, e suspendeu a sessão por cerca de 10 minutos. Assista:

Imagens: Reprodução

O petista se indignou com a interrupção e começou a bater na mesa, pedindo o retorno de seu direito de fala. Após o retorno da sessão, Mauro Rubem criticou a atitude de Clécio: “Vossa Excelência não está sendo justo, porque o que mais acontece nesta Casa é o desvio de assunto. Eu não quero circo, não gosto de circo”, reclamou.

Em nota enviada ao O Hoje, a assessoria do vereador Clécio Alves informou que o parlamentar seguiu o regimento interno da Câmara. Informou que, como vice-presidente da Casa, Clécio estava abrindo espaço para que outro vereador falasse, uma vez que, segundo a nota, Mauro estava se desviando do assunto em pauta, o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2023. Confira a seguir a nota na íntegra.

“Sobre este caso em questão, informamos que não houve, em nenhum momento, uma atitude diferente ao que o vereador e também vice-presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Clécio Alves (Republicanos), deveria fazer, tendo em vista que ele cumpriu o regimento da Casa de Leis, que era dar espaço para que outro vereador falasse, neste caso, o vereador Mauro Rubem (PT), que na ocasião se propunha a discutir o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2023.

No entanto, Mauro subiu à tribuna para discutir um assunto partidário, diferente daquele que ele estaria autorizado a falar, que seria sobre a LDO para 2023. Logo, o que o presidente em exercício fez, foi defender o regimento, a fim de colocar em ordem os trabalhos da Casa de Leis e, por isso, a suspensão da sessão por dez minutos. Um prazo que durou menos que isso, tendo em vista que tudo foi colocado rapidamente em ordem.

Ou seja, a sessão foi reaberta, os trabalhos continuaram e o vereador Mauro Rubem teve o direito de discutir, por meio do tempo do partido, assuntos ligados ao seu partido e estabelecidos por ele. Portanto, o que ocorreu hoje, 12/7, foi apenas um cumprimento da Lei por parte de Clécio Alves“, finalizou a nota.

Veja Também