Baldy reúne Caiado com Ciro e Lira para mostrar força política

Presidente do PP Goiás não fala em pressionar governador, mas mantém posição de ser pré-candidato ao Senado em qualquer cenário

Postado em: 15-07-2022 às 08h25
Por: Francisco Costa
Presidente do PP Goiás não fala em pressionar governador, mas mantém posição de ser pré-candidato ao Senado em qualquer cenário | Foto: Reprodução

Pré-candidato ao Senado da base de Ronaldo Caiado (União Brasil), o presidente estadual do Progressistas (PP) Alexandre Baldy organiza visita do presidente da Câmara Arthur Lira e do presidente nacional da sigla Ciro Nogueira ao governador. O encontro ocorrerá em Anápolis, no fim do mês, e tem como intuito mostrar a força política de Baldy. 

“É um encontro para demonstrar nossa força política”, revela o ex-ministro ao Jornal O Hoje. O dia certo, contudo, ainda será definido. 

Questionado se essa demonstração de força tem por objetivo se tornar o nome único ao Senado na chapa de Caiado, Baldy diz que não. Segundo ele, a posição segue a mesma: “Eu continuo como sempre, sendo pré-candidato ao Senado em qualquer cenário, sem a preocupação se terá um ou mai candidatos.”

Continua após a publicidade

O governador Ronaldo Caiado tem adiado o máximo possível a decisão por um nome de consenso ou a opção por não ter um pré-candidato ao Senado na sigla, o que permite – conforme entendimento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) – a disputa isolada, ou seja, por vários postulantes à Casa alta do Congresso. Baldy é defensor dessa segunda tese.

Assim como os deputados federais Zacharias Calil (União Brasil) e delegado Waldir (União Brasil) – esse segundo o responsável pela consulta ao TSE –, Baldy defende os múltiplos nomes para que o eleitor escolha o que mais se identifica. Esta situação, contudo, tem como contrários o presidente da Assembleia Legislativa de Goiás, deputado estadual Lissauer Vieira (PSD), e senador Luiz do Carmo (PSC).

Lissauer e Luiz, inclusive, fazem pressão para que Caiado opte por um só nome. Eles, inclusive, já subiram o tom e deixaram no ar a possibilidade de composição com outros pré-candidatos ao governo de Goiás. Marconi Perillo (PSDB) e Gustavo Mendanha (Patriota) estariam de olho nos insatisfeitos com o governo. 

PP pressiona?

Baldy já deixou claro ao Jornal O Hoje que o PP não pressionará Caiado. “Da minha parte, do partido progressistas, não existe pressão. Somos a favor das candidaturas independentes. Participa quem desejar”, revelou o ex-ministro.

Ainda na, o presidente estadual do PP disse não acreditar que algum partido da base possa deixar o governador Ronaldo Caiado, independente da decisão. “Eu posso responder por mim, não acredito. Só se o PP for colocado para fora, o que não acredito.”

Ele acredita que a tendência do governador é permitir as candidaturas isoladas e não escolher um único nome. Caiado ainda não deu sinais de quando anunciará a decisão.

Vices

De fora da base de Caiado, Goiás ainda tem um alto número de pré-candidatos ao Senado. Na chapa de major Vítor Hugo (PL), o ex-senador Wilder Morais (PL) está certo na disputa. Na federação PT, PV e PCdoB, Denise Carvalho (PCdoB) e Cristiano Cunha (PV) colocaram o nome à disposição.

Também à esquerda, a UP tem o professor Reinaldo Pantaleão como pré-candidato ao Senado. Pelo PSOl, a ex-candidata à prefeitura de Goiânia Manu Jacob está no páreo. 

O mais recente a se lançar como pré-candidato ao Senado é o policial civil Eduardo Rodovalho, do Pros. Pelo Novo, o nome é Leonardo Rizzo.

Veja Também