TSE e MP Eleitoral assinam acordo para enfrentar violência política contra a mulher

O documento vai destacar a necessidade de atuar contra uma das múltiplas causas da baixa participação política feminina no Brasil.

Postado em: 31-07-2022 às 17h21
Por: Ícaro Gonçalves
O documento vai destacar a necessidade de atuar contra uma das múltiplas causas da baixa participação política feminina no Brasil | Foto: Reprodução

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) firmarão uma parceria para atuar em conjunto no enfrentamento da violência política contra a mulher. A cerimônia de assinatura será nesta segunda (1/8) na sede do TSE, em Brasília, às 18h.

O objetivo da parceria é definir rotinas de investigação e apuração do crime eleitoral de violência política contra a mulher, previsto no artigo 326-B do Código Eleitoral (Lei nº 4.737/65), diante da recente aprovação da Lei nº 14.192/2021, que estabelece normas para prevenir, reprimir e combater esse tipo de violência.

O documento vai destacar a necessidade de atuar contra uma das múltiplas causas da baixa participação política feminina no Brasil. A ideia é garantir os direitos de participação das mulheres, com a atuação das autoridades competentes do sistema de Justiça Eleitoral, que vão priorizar a defesa do direito violado, conferindo especial importância às declarações da vítima e aos elementos indicativos de crime.

Continua após a publicidade

Campanhas de esclarecimentos

Além disso, o TSE e a Procuradoria-Geral Eleitoral vão buscar estratégias para divulgar ampla campanha de esclarecimento à sociedade civil, aos partidos políticos, aos juízos e promotores eleitorais sobre os caminhos institucionais de denúncia e sobre os ritos a serem percorridos durante a tramitação.

A medida atende às solicitações feitas por coletivos femininos e pela Secretaria da Mulher na Câmara dos Deputados no sentido de estabelecer um fluxo de informações que priorize e discipline a aplicação, no sistema de Justiça Eleitoral, da Lei nº 14.192/2021.

A parceria deve prever, ainda, a necessidade de criação e divulgação de um canal específico de denúncias nos casos de violência política, para encurtar a distância entre as vítimas e as autoridades competentes para a investigação e apuração.

Com informações da assessoria de comunicação do Tribunal Superior Eleitoral

Leia também: Metade dos eleitores deixou de falar de política para evitar discussões, diz Datafolha

Veja Também