Segunda-feira, 26 de fevereiro de 2024

A palavra que Caiado guarda no bolso sobre Rogério Cruz

Lealdade é o que o grupo do prefeito, que vai buscar reeleição, tem como esperança de apoio de Caiado

Postado em: 02-02-2024 às 10h30
Por: Yago Sales
Imagem Ilustrando a Notícia: A palavra que Caiado guarda no bolso sobre Rogério Cruz
Rogério Cruz tem uma missão que, para alguns pode parecer impossível: se tornar mais popular, ou seja, crescer em pesquisas | Foto: Reprodução

Nenhuma outra palavra consegue definir melhor o que há entre o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos) e o governador Ronaldo Caiado (União Brasil) do que lealdade. Em tempos quando se fala tanto em reconhecer e, evidentemente, colocar em marcha planos políticos, Rogério quer, e tem razão, o apoio do morador da Casa Verde ao seu plano de reeleição em outubro. 

Embora haja a máxima de que candidato apoiado pelo governador na capital não vença o pleito, é possível que o rumo desta história mude: Caiado tem tido um governo bem avaliado pelos goianienses. É midiático, tem fama há mais de 40 anos como político que percorreu a passos sérios o Congresso Nacional, liderou o antipetismo antes que existisse, no linguajar popular, o bolsonarismo e tem feito um governo estadual com resultados, sobretudo, na educação e segurança pública. 

Caiado é o cabo eleitoral dos sonhos de qualquer que consiga viabilizar-se e chegar ao palanque como candidato a prefeito da cidade goiana mais importante de Goiás: Goiânia, com seus mais de 1 milhão e meio de habitantes e crescimento econômico exponencial. Quem, afinal, não gostaria de gerir uma cidade com tanto recurso e capacidade de crescimento? 

Continua após a publicidade

Na base do governador, a birra, o medo, a confusão, e a tentativa fazem parte do cotidiano de quem vê, em Caiado, a oportunidade de crescimento nas pesquisas. É o caso do ex-prefeito de Trindade, Jânio Darrot que, filiado ao União Brasil, andando pra cima e pra baixo com Gustavo Mendanha, ou seja, um aliado com cinco estrelas no peito prestes a filiar-se ao MDB de Daniel Vilela, o vice-governador e, ninguém tem dúvida, o sucessor de Caiado no Palácio das Esmeraldas. 

Caiado guarda no bolso do seu paletó, no entanto, uma palavra que pode, sim, mudar o rumo da base aliado à disputa municipal: a lealdade que o governador tem do prefeito Rogério Cruz, um verdadeiro escudeiro, sobretudo no pleito em que reelegeu Caiado em 2022. 

Cruz deixou de lado o próprio partido, Republicanos, que estava na chapa de Mendanha – que concorreu ao governo – para declarar apoio a Caiado, caminhando por aí com o boton colado acima do coração. 

Para tanto, contudo, Rogério Cruz tem uma missão que, para alguns pode parecer impossível: se tornar mais popular, ou seja, crescer em pesquisas. Por isso, espera-se do chefe do executivo municipal avançar ainda mais na entrega de obras, o que tem feito de maneira contundente nas últimas semanas e, com isso, ser visto, de fato, como alguém que mereça vencer a disputa pelo segundo mandato. 

Com seu crescimento, Caiado vai ter argumento para tirar a tal palavra do paletó – lealdade – e colocar em uma das mesas em que o apoio de sua base deverá se concentrar na candidatura de Rogério Cruz, agradando o atual prefeito e seu grupo, claro. O projeto, no entanto, enfrenta, claro, além da dificuldade de Rogério de crescimento, a ala emedebista da base, a própria de Jânio e, claro, Bruno Peixoto que não desistiu de ser a maior pedra no sapato de Cruz.

Veja Também