MPE pede cassação de mandato e inelegibilidade de prefeito e vice-prefeito de Goiânesia por oito anos

O Ministério Público Eleitoral (MPE), apontou abuso de poder político e econômico nas eleições municipais de 2020 em Goianésia, e pediu a

Postado em: 09-02-2022 às 10h20
Por: Stéfany Fonseca
Prefeito de Goianésia Renato de Castro pode perder o mandato

O Ministério Público Eleitoral (MPE), apontou abuso de poder político e econômico nas eleições municipais de 2020 em Goianésia, e pediu a inelegibilidade e cassação de mandato do prefeito, Leonardo Menezes e vice-prefeito, João Pedro, e a inelegibilidade do ex-prefeito de Goianésia e atual presidente CODEGO, Renato de Castro, pelo prazo de 8 anos, contando das eleições de 2020.

No processo, segundo o MPF, o então prefeito, Renato de Castro, usou de forma ilegal a máquina pública para beneficiar candidatos nas eleições de 2020. Os autos do processo mostram vídeos, que foram divulgados durante a campanha eleitoral nas redes sociais, onde, Renato de Castro e o candidato Leonardo Menezes estão em uma obra do Hospital Municipal, para a gravação de vídeo para fins eleitorais.

Eles já tinham sido condenados em primeira instancia, a pagar juntos multa no valor de R$ 212.810. O processo de cassação é ilegibilidade ainda aguarda julgamento do Tribunal Regional Eleitoral, sob a relatoria do Juiz Federal Dr. Juliano Taveira Bernardes.

Continua após a publicidade

O Hoje entrou em contato com a assessoria de comunicação do prefeito, mas não obteve resposta.  

Veja Também