Quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

Mulheres, por meio de histórias que vieram antes, hoje tomam consciência de sua força e capacidade de ocuparam lugares improváveis

Para comemorar o mês da mulher, várias instituições criaram programações com o intuito de dar visibilidade à elas

Postado em: 08-03-2022 às 09h25
Por: Lanna Oliveira
Imagem Ilustrando a Notícia: Mulheres, por meio de histórias que vieram antes, hoje tomam consciência de sua força e capacidade de ocuparam lugares improváveis
Para comemorar o mês da mulher, várias instituições criaram programações com o intuito de dar visibilidade à elas | Foto: Reprodução

“Gostaria que você soubesse que existe dentro de si uma força capaz de mudar sua vida, basta que lute e aguarde um novo amanhecer”. A frase dita por Margaret Thatcher, a ‘Dama de Ferro’ que ficou conhecida por ser a primeira mulher a ser primeira-ministra do Reino Unido, nos mostra como a mulher tem tomado consciência da sua força. É assim, que ocupa-se lugares antes impensados para elas, é desta forma que chega-se a igualdade de gêneros e é assim que a luta por respeito se faz concreta, mulheres se reconhecendo como protagonistas.

Como Margaret Thatcher, outras tantas mulheres fazem parte dessa construção. Eleanor Roosevelt, defensora dos direitos das mulheres, a atriz e ganhadora de diversos prêmios Viola Davis, Malala Yousafzai, ativista paquistanesa, a jogadora Marta, a escritora Carolina de Jesus, entre milhões que vivem seus dias com muita luta e dedicação, também fazem parte dessa história que ainda está sendo escrita. Hoje, devido a tantas vidas dedicadas a causa, que as mulheres podem imaginar ocupar lugares e profissões antes apenas dos homens. 

Exemplo disso são as mulheres envolvidas na criação de histórias em quadrinhos. Muitas mulheres dão voz, emoção, traços e histórias fantásticas a diversos quadrinhos. Um meio mais conhecido por ser tipicamente masculino, possui diversas escritoras, autoras, desenhistas e roteiristas, que deram vida a obras famosas e muito queridas dos fãs. Por isso, neste dia, 8 de março, Dia Internacional da Mulher, celebremos algumas delas, brasileiras e estrangeiras que fazem a diferença no universo geek e inspiram meninas a acreditarem que são capazes.

Continua após a publicidade

Espadas que fazem cabeças rolar pelo chão, sabres de luz brilhantes que emocionam fãs, superpoderes que derrubam qualquer vilão de físico forte também são pensados por elas. Diversas HQs, quadrinhos e mangás são escritos, roteirizados e desenhados por mulheres. Kelly Thompsson, por exemplo, é a roteirista responsável pelas histórias de ‘Viúva Negra’ e ‘Capitã Marvel’, e foi indicada várias vezes ao Eisner Awards; Há ainda Vita Ayala, roteirista dos ‘Novos Mutantes’, ‘Batman’ e ‘Mulher Maravilha’; Shima Shinya, roteirista de histórias da coleção ‘Star Wars: O Limite do Equilíbrio’, ao lado de outra grande escritora, Justina Ireland. 

Justina é uma autora americana de ficção científica e fantasia para jovens adultos, ganhou diversos prêmios e best-sellers que ficaram em destaque no New York Times. Ainda do lado DC da força, tem Kami Garcia, escritora de ficção de grandes best sellers e criadora de ‘Jovens Titãs’, e Mariko Tamaki, criadora de ‘Batman Detective Comics’. E se é para falar de desenho, tem inúmeros exemplos de desenhistas que transmitiram nos traços de personagens toda a ação e aventura, como é o caso de Sara Pichelli, em ‘Homem Aranha’; Erica D’urso com ‘Valquíria’; Minkyu Jung em ‘SW Doutora Aphra’ e ‘Manífica Ms. Marvel’; e Carmen Carnero, conhecida por ‘Miles Morales: Homem-Aranha’ e ‘Capitã Marvel’.  

Os mangás também não ficam de fora. Koyoharu Gotouge, autora das histórias de ‘Demon Slayer: Kimetsu no Yaiba’, figurou na Revista Time como uma das 100 lideranças emergentes de 2020 que estão moldando o futuro, ao lado de grandes artistas do cinema, da música e até da política. Esta é a primeira vez que a revista coloca um mangaka neste ranking. Ia Yazawa, autora de ‘Paradise Kiss’, é focada no público feminino; Q Hayashida autora do mangá ‘Dorohedoro’ e que já fez adaptações de jogos eletrônicos; e tem até uma dupla de mangakas, Adachitoka, de ‘Noragami, um conto sobre deuses, budismo e xintoísmo’. 

No Brasil, Fefe Torquato, quadrinista e ilustradora que fez a graphic novel de Tina, personagem da ‘Turma da Mônica’, e Lu Cafaggi, que junto com o irmão foi convidada para contar a primeira história de ‘Turma da Mônica – Laços’, adaptado para o cinema em 2019, além de ‘Lições e Lembranças’. Ela levou o 26° Troféu HQ Mix nas categorias ‘Novo Talento – Desenhista’ e ‘Melhor Roteirista’ ao lado do irmão. São muitas as forças femininas que devem ser comemoradas neste 8 de março, que vão além das profissões rotineiras, quebrando paradigmas e estereótipos. Afinal, o lugar de uma mulher é onde ela decide estar.

Mais homenagens

Para comemorar o mês da mulher, várias instituições criaram programações com o intuito de dar visibilidade à elas. O canal Box Brazil Play, por exemplo, separou quatro conteúdos que têm as mulheres como Em ‘Carolina’, por exemplo, a diretora Lilih Curi fala sobre uma personagem feminina que tomou partido de si e evitou a invisibilidade. Já em ‘Rosas do Asfalto’, é colocado luz para mulheres da terceira idade que sustentam filhos e netos com trabalhos sexuais. ‘Meu Corpo é Político’, da diretora Alice Riff, aborda o cotidiano de quatro militantes LGBT que vivem em periferias de São Paulo. ‘Damas do Samba’, da diretora Susanna Lira, provoca uma reflexão sobre o papel da mulher no samba.

Já o projeto Tarsila Agenda, concebido pela pasta para celebrar o legado da Semana de Arte Moderna de 1922, por meio de palestras e cursos disponíveis no site agendatarsila.com.br, lembram de grandes artistas que abriram caminhos para o protagonismo feminino na arte. Tarsila do Amaral, Anita Malfatti, Zina Aita e Pagu foram nomes marcantes que fizeram história. Ainda em uma época (anos 20) em que se falava pouco sobre o espaço da mulher na sociedade, as modernistas mostraram o poder feminino na arte e na cultura brasileira, quebrando padrões.

E por fim, aqui em Goiânia, o Hospital Estadual Alberto Rassi – HGG abre nesta terça-feira (8), mais uma edição da tradicional exposição em homenagem ao Dia Internacional da Mulher, tendo como modelos as colaboradoras da unidade de saúde. Pelo sétimo ano, o repórter fotográfico Cristiano Borges, voluntariamente, registrou as diversas poses das mulheres que atuam no HGG como forma de homenagear as profissionais que colaboram para o bem-estar, cuidado e humanização dos pacientes.

Veja Também