Quarta-feira, 28 de fevereiro de 2024

Saiba como é feita uma simulação que prepara equipes de saúde e resgate para catástrofes

A catástrofe simulada tem nível 1 de gravidade, com 10 vítimas. Colaboradores, equipes do Corpo de Bombeiros e do SAMU participaram da ação

Postado em: 22-03-2022 às 17h00
Por: Rodrigo Melo
Imagem Ilustrando a Notícia: Saiba como é feita uma simulação que prepara equipes de saúde e resgate para catástrofes
A catástrofe simulada tem nível 1 de gravidade, com 10 vítimas. Colaboradores, equipes do Corpo de Bombeiros e do SAMU participaram da ação | Foto: Reprodução

O Hospital Estadual de Santa Helena de Goiás Dr. Albanir Faleiros Machado (Herso) realizou nesta terça-feira (22) uma simulação de catástrofe, com o objetivo de verificar os protocolos de atendimento em graves acidentes, com múltiplas vítimas.

Na cena foi representada uma colisão frontal entre duas caminhonetes de pequeno porte, sendo que os dois veículos levavam dois passageiros na carroceria, o que ocasionaria arremesso dessas pessoas. O Código de Trânsito Brasileiro (CTB) proíbe o transporte de passageiros dessa maneira.

A catástrofe simulada de nível 1 de gravidade, com 10 vítimas, teve a participação de colaboradores, equipes do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar, do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Santa Helena de Goiás e de Rio Verde e da Superintendência Municipal de Trânsito (SMT). As vítimas foram resgatadas e levadas para a unidade de saúde.

Continua após a publicidade

A diretora Assistencial e Multiprofissional, Tuany Terra, explica que a simulação tem como finalidade treinar as equipes médica e multidisciplinar, além de todos os setores do hospital para recebimento de vítimas de acidentes de grande proporção, com múltiplos feridos.

“A simulação busca analisar as condições de assistência, além de apontar possíveis pontos de aprimoramento para que, caso haja ocorrências de grandes proporções, as equipes estejam preparadas para atender as vítimas com rapidez e qualidade, o que é fundamental para salvar vidas”, destacou.

Os auditores internos do hospital acompanharam todo o processo, a fim de avaliar os protocolos adotados e identificar as estratégias de assistência. Os resultados serão analisados pela direção da unidade.

Veja Também