O que motivou vizinho a matar modelo que vendia vídeos eróticos na internet; entenda o caso

Postado em: 07-04-2022 às 12h03
Por: Alexandre Paes
O acusado contou à polícia local que participava de um "jogo erótico" quando a matou a marteladas | Foto: Reprodução/Internet

Um crime brutal chocou a Itália no último mês. Carol Maltesi, de 25 anos, foi morta e esquartejada por seu vizinho, com quem tinha uma relação aberta. A jovem vendia vídeos eróticos pela internet, e o autor do feminicídio é Davide Fontana, de 43 anos. Ele confessou o crime e está preso, mas ainda há especulações sobre o que teria motivado tal barbaridade, principalmente pelo fato dele ter escondido o corpo da vítima em um freezer por mais de 2 meses.

Por conta do avançado estado de decomposição, a identificação do corpo foi complicada. De acordo com a Policia, o que ajudou na verificação da identidade da moça foram as 15 tatuagens que ele tinha, e após algumas imagens rodarem na internet e seus fãs compararem com ela. Fontana chegou a ir à delegacia para informar sobe o desaparecimento da sua vizinha, como forma de se livrar da investigação, mas com depoimento confuso acabou se entregando e confessando o crime.

O caso foi registrado na cidade milanesa de Rescaldina, e Fontana contou à polícia local que participava de um “jogo erótico” quando a matou a marteladas, informou a agência italiana Ansa. Ele disse ainda que chegou a responder mensagens se passando por ela ao telefone. “Ninguém procurou por ela, apenas sua mãe, por WhatsApp, e um ex-namorado, também por mensagens de texto. Por telefone, ninguém”, disse o homem.

Ainda de acordo com as investigações, Fontana teria tentado se livrar do corpo da jovem depois de tê-lo esquartejado. Ele dirigiu cerca de 150 km para arremessar os restos em um penhasco. A polícia chegou a informar que havia encontrado os restos mortais de uma mulher escondidos dentro de sacos pretos, mas que, naquele momento, ninguém havia informado seu desaparecimento.

O crime teria ocorrido em janeiro deste ano, mas o corpo foi encontrado apenas em 21 de março. Carol Maltesi também era conhecida pelo nome artístico “Charlotte Angie”. Ela chegou a atuar como vendedora de uma loja em Milão antes de começar a trabalhar com conteúdo erótico pela internet.

Segundo relatos, Fontana tinha acesso às chaves do apartamento da vítima. Em 13 de março, ele chegou a publicar uma foto antiga de Maltesi, que já estaria morta havia dois meses.

Compartilhe: