Terça-feira, 27 de fevereiro de 2024

Animais de estimação recebem cuidados por meio da Fisioterapia Veterinária

Paralisias, ruptura de ligamentos, artrites e artroses são algumas das patologias que acometem cães e gatos e podem ser amenizadas com o método

Postado em: 06-09-2022 às 08h55
Por: Elysia Cardoso Ferreira
Imagem Ilustrando a Notícia: Animais de estimação recebem cuidados por meio da Fisioterapia Veterinária
Apesar do que muitos possam pensar, os tratamentos fisioterapêuticos não são destinados apenas para tratar humanos | Foto: Divulgação

A área da saúde responsável por estudar, avaliar, diagnosticar e tratar lesões é conhecida como Fisioterapia. Apesar do que muitos possam pensar, os tratamentos fisioterapêuticos não são destinados apenas para tratar humanos. Animais de estimação também recebem cuidados por meio da Fisioterapia Veterinária, método que consiste na aplicação de conhecimento e técnicas, visando proporcionar saúde e bem-estar aos pets.

O professor do curso de Medicina Veterinária da Faculdade Anhanguera, médico veterinário, Thiago Bastos, detalha o que é e para que servem os procedimentos. “A fisioterapia veterinária é uma das ferramentas mais eficientes no auxílio clínico, não só na prevenção de lesões do aparelho locomotor, como na recuperação funcional e de lesões, principalmente, no resgate da qualidade de vida do animal acometido”, pontua.

Além disso, a fisioterapia animal tem sido, através de diferentes métodos, uma ferramenta eficaz nos programas de emagrecimento. Os planejamentos nutricionais somados à pesquisa de patologias associadas e a fisioterapia fornecem informações vitais para a estruturação de um programa de emagrecimento gradual e saudável, resgatando a qualidade de vida dos pets e ajudando no combate a progressão de diversas enfermidades relacionadas ao excesso de peso.

Continua após a publicidade

É importante ressaltar que os animais hiperativos, ansiosos e inquietos também encontram na fisioterapia um canal perfeito para liberar suas energias canalizadas, evitando o aparecimento de problemas importantes como apatia, carência, agressividade e latidos em excesso.

O doutor em ciência animal destaca que é importante que o tutor esteja atento a quaisquer sinais de problemas de saúde nos pets, como alguma complicação ortopédica em função de traumas, acidentes ou em razão da velhice ou excesso de peso. “A fisioterapia pode até mesmo substituir a necessidade de intervenções cirúrgicas, evitando futuros sofrimentos e adequando o pet em um condicionamento físico ideal. É importante conversar com o médico veterinário para uma avaliação das opções de tratamento. Dessa forma o pet poderá ter uma vida feliz e saudável”, aconselha o especialista. 

O docente relata que a prática da Fisioterapia Veterinária teve origem no tratamento de equinos e evoluiu para atender animais de pequeno porte. Alguns procedimentos fazem parte da rotina de cuidados com os animais, como a eletroterapia (uso de correntes elétricas para alívio da dor e fortalecer a musculatura); cinesioterapia (alongamentos e exercícios terapêuticos, que são aplicados na reabilitação, principalmente em animais com problemas ortopédicos e neurológicos) e laserterapia (usada para alívio da dor, em afecções agudas ou crônicas). Outras aplicações incluem acupuntura, hidroterapia, ultrassom e massoterapia.

Dentre as especialidades da fisioterapia pet em que ela atua de forma exemplar estão:

Fisioterapia pet na ortopedia animal: atua como tratamento conservativo para patologias como displasia coxofemoral, tendinites, artrose, miosites, osteocondrite dissecante, luxação de patela, ruptura de ligamento cruzado, fraturas e outros.

Fisioterapia pet na neurologia animal: atua com eficiência no combate de patologias como a hérnia de disco, mielopatias degenerativas, síndrome de Wobbler, injúrias de nervo periférico, doenças do sistema nervoso central, cinomose, tetraparesias e tetraparesias e outros.

Outros casos: auxilia no tratamento de má formação congênita ou adquirida, contraturas, distensões e lesões musculares, injúrias atléticas, panosteíte, fraquezas e atrofias musculares secundárias e outros.

Veja Também