25 de fevereiro de 2017 - sábado

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Comportamento
16/02/2017 | 14h00
Mãe entra na justiça para obrigar filho a fazer tratamento médico
José tem 22 anos e uma doença grave impede o funcionamento dos seus rins

Da Redação

A professora Edina Maria Alves Borges, de 55 anos, iniciou uma batalha judicial contra o próprio filho, José Humberto Pires de Campos Filho, de 22 anos, para forçá-lo a submeter-se a sessões de hemodiálise. Os dois são de Trindade e a história começou quando o garoto decidiu não fazer o tratamento para uma doença que impede o funcionamento dos seus rins.

Segundo matéria veiculada nesta quinta-feira (16) pelo jornal Estadão, Humberto foi diagnosticado com a doença quando tinha apenas 15 anos, quando ainda morava com o pai nos Estados Unidos, onde conseguiu concluir o ensino médio e pretendia fazer um curso superior.

Edina contou ao Estadão que “ele fazia esportes, nadava muito bem, mas trabalhava em um restaurante para ter direito à residência permanente. No dia 23 de julho, viu que os pés estavam inchados e achou que era do trabalho. Dias depois estava internado. Em setembro, fizeram a biópsia e diagnosticaram a doença renal, só resolvida com transplante”.

A mãe declara que a resistência ao tratamento começou logo ai. “Ele tinha plano de saúde, mas se negava a ir para o hospital. Também recusou a lista de transplante” contou. “É egoísmo uma mãe querer que o filho não desista de viver? Acho que não” completou.

Só em dezembro o garoto decidiu fazer as seções de hemodiálise. Hoje Humberto mora com a mãe, que largou a carreira para cuidar do filho. Como um jovem que nem completou a formação universitária, não seguiu uma carreira profissional, nem teve um relacionamento amoroso mais duradouro pode decidir em que momento pode parar a vida?”afirma Edina.

Uma perícia feita pela Junta Médica do Tribunal de Justiça de Goiás atestou que ele tem “total capacidade de entendimento”, mas “imaturidade afetiva e emocional”, o que tornaria parcial sua capacidade de tomar decisões. Por isso, determinou-se a hemodiálise. 

(Foto: Estadão)

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700