19 de setembro de 2018 - quarta-feira

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Cidades
Jataí
12/07/2018 | 15h10
Professor que foi acusado de assédio sexual é demitido pela UFG
Em depoimento a universitária contou à Polícia Civil que o assédio ocorreu em dezembro de 2016, mas que ela só teve coragem de denunciar o fato quatro meses depois

Katrine Fernandes

O professor Rogério Elias Rabelo foi demitido pela Universidade Federal de Goiás (UFG) nesta quarta-feira (12) sob acusação de assédio sexual. A denúncia foi feita por uma aluna que relatou que o caso aconteceu em um apartamento de Goiânia, onde eles estavam hospedados para participar de um congresso. Rogério dava aula na área de Ciências Agrárias do Campus de Jataí. A defesa do servidor alega inocência.

Em depoimento a universitária contou à Polícia Civil que o assédio ocorreu em dezembro de 2016, mas que ela só teve coragem de denunciar o fato quatro meses depois. De acordo com o relato da aluna, eles foram para um bar. Ela acordou deitada em um colchão no chão e viu o professor nu, sobre ela. Em agosto do ano passado, o Ministério Público Federal denunciou o servidor federal pelo crime.

Em janeiro deste ano, a universidade chegou a afastar preventivamente o docente. Porém, nesta quarta-feira, a demissão foi publicada no Diário Oficial da União.

A portaria destaca que o docente foi demitido por infringir os seguintes termos da Lei nº 8112/90 (que versa sobre regime jurídico de servidores públicos da União):

  • Artigo 117, inciso IX da Lei nº 8112/90: valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou de outrem, em detrimento da dignidade da função pública
  • Artigo 132, inciso IV (improbidade administrativa), inciso V (incontinência pública e conduta escandalosa, na repartição) e inciso XIII (Transgressão do inciso IX do artigo 117 [já citado acima]).

O advogado de defesa, Dielson Guedes, disse que vai recorrer dessa decisão. “Não existe prova nenhuma e nós vamos demonstrar isso perante a própria universidade. Temos 10 dias para isso. E, posteriormente, vamos entrar com ação de nulidade para provar a inocência do professor”, disse.

 
Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)