Coluna

Artistas cobram atuação do governo: “cadê o Baldy?”

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 23 de abril de 2020

Tem ganhado força nas redes sociais, enquanto os protestos
não podem ir às ruas, uma série de manifestações de artistas e produtores
culturais que cobram atuação do governo estadual e da Secretaria de Cultura
para que compromissos acumulados desde o início do atual governo sejam
cumpridos. A situação ficou mais apertada, segundo os autores, nos últimos dois
meses, já que apresentações, espetáculos e afins tiveram de ser cancelados ou
prorrogados por conta das medidas de isolamento para combate à pandemia de
coronavírus. As cobranças se intensificam por conta da promessa de resolução
rápida dos problemas feita pelo secretário Adriano Baldy quando tomou posse, em
novembro. “Cadê o Baldy?”, repetem artistas em vídeo. “Somos trabalhadores,
somos muitos. Nesse momento de isolamento social, estamos aguardando uma
atitude do nosso secretário estadual”.

Problemas

As cobranças dos artistas são conhecidas, mas continuam sem
resposta da gestão Caiado. “Cadê a Lei Goyazes? Cadê o FAC (Fundo de Arte e
Cultura) de 2019? E como vão ficar os atrasados?”, insistem, sem sucesso, os
produtores.

Otimismo

O senador Vanderlan Cardoso comemorou resultados parciais do
mês de abril do coronavírus em Goiás. “O cenário de caos projetado não
aconteceu”, tuitou, em referência ao discurso do governador Ronaldo Caiado.

Retomada

“A contaminação é muito menor do que projetaram. Vamos
vencer o vírus e, com o cuidado necessário, também vamos vencer o desemprego e
a crise na economia”, diz.

Tesoura

O corte antecipado aqui, de 20% nas receitas estaduais, será
combatido com redução no custeio de todos os poderes e órgãos autônomos,
segundo concluíram ontem os presidentes, em reunião com o governador Ronaldo
Caiado.

Valores

Para a Assembleia Legislativa a tesourada significa R$ 1,6
milhão no orçamento deste mês de abril. Pelo combinado, as medidas têm validade
para agora e deverão passar por nova avaliação em maio, para quando a redução deve
ser de 30%.

Socorro externo

A previsão de reduções maiores e contínuas nas receitas
estaduais não considera a provável inadimplência e ainda aguarda definição sobre
a ajuda federal a estados e municípios, que segue parada no Senado.

Ônibus

O juiz Átila Naves Amaral atendeu pedido do Sindicato das
Empresas de Transporte Coletivo Urbano de Passageiros de Goiânia (SET) e
determinou que a CMTC apresente Plano Emergencial até sexta-feira (24) para
ações no sistema.

Quebradeira

Apesar da retomada gradual das validações, as empresas
reclamam de inviabilidade financeira depois de terem mantido a operação em
tempos de maior isolamento.

CURTAS

– A CMTC ainda tem cinco dias para viabilizar solução
financeira para que seja mantida atuação dos ônibus metropolitanos.

– Prefeituras buscam junto ao governo estadual melhor
distribuição dos testes de Covid-19 entre as cidades goianas.

– O Conselho das Secretarias Municipais de Saúde enviou
ofício para a Secretaria Estadual e para o Ministério Público.

 

Compartilhe: