Coluna

Depois de Baldy ser barrado, Goiás emplaca nome no Ministério da Economia

Publicado por: Venceslau Pimentel | Postado em: 11 de dezembro de 2021

Depois do veto do presidente Jair Bolsonaro (PL) ao nome do presidente do Progressistas, Alexandre Baldy, para um posto na articulação política no Ministério da Economia, comandado por Paulo Guedes, Goiás emplaca na mesma pasta o ex-secretário-chefe da Casa Civil, Alan Farias Tavares. Ele representará o Estado no Conselho de Supervisão do Regime de Recuperação Fiscal, e acompanhará a adesão de Goiás ao programa de socorro do governo federal, criado para dar auxílio financeiro a Estados com grave desequilíbrio financeiro. Baldy havia sido bancado pelo ministro-chefe da Casa Civil e presidente nacional do PP, Ciro Nogueira. 

Adversário 

Pesaram contra Baldy a proximidade dele com o governador João Doria (SP), eventual adversário de Bolsonaro em 2022, e por articular vaga para disputar vaga ao Senado, também pretendida pelo deputado federal bolsonarista Major Vitor Hugo (PSL). 

Sinalização   

Não faltou sintonia entre Major Vitor Hugo e o presidente do PTB em Goiás Eduardo Macedo Júnior, durante encontro no escritório do parlamentar, em Goiânia, sobre eventual aliança para 2022. 

Faz-de-conta 

Procurador da República em Goiás, Hélio Telho repara que a quarentena de cinco dias, adotada pelo governo Bolsonaro, no enderenço informado pelo viajante que chega ao Brasil, e diz que é mais uma daquelas medidas para inglês ver. 

No páreo 

A ex-primeira-dama Iris de Araújo entra na polêmica sobre renomear o aeroporto Santa Genoveva com o nome de Iris Rezende, e diz que a homenagem seria “justa e maravilhosa”. Mas há uma corrente, inclusive no MDB, contrária à essa proposta. 

Na conta 

Três dias antes do Natal, a prefeito Rogério Cruz garante que irá liberar o pagamento dos servidores do município, injetando mais de R$ 255 milhões no comércio da capital. 

Sem volta 

Focado no mutirão que será realizado hoje, em Aparecida de Goiânia, o governador Ronaldo Caiado ignorou mais uma provocação de Jair Bolsonaro sobre o ICMS dos combustíveis. O fato mostra que o rompimento político entre os dois está sacramentado. 

Duelo  

Após reprimenda do presidente da Alego, Lissauer Vieira (PSB), Amauri Ribeiro (Patriota) pontua que a pendenga com o deputado Major Araújo (PSL) agora é no campo pessoal. A turma do ‘deixa-disso’ entrou em campo para evitar vias de fato. 

CURTAS 

– Após o ataque de hackers que tirou do ar o site do Ministério as Saúde, o deputado federal petista Rubens Otoni lança dúvida sobre os reais motivos do fato. Justamente na véspera de entrar em vigor medidas restritivas para conte nova variante da Covid-19. “A quem interessa?”, indaga. 

Compartilhe: