Coluna

Maguito aprova venda da Celg e de Cachoeira Dourada

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 26 de março de 2018

Mesmo com críticas dos pré-candidatos da oposição, o
ex-governador Maguito Vilela (MDB) defende os processos de privatização de
sistemas de geração e distribuição de energia elétrica em Goiás – inclusive o
da Celg-D. Como governador, Maguito executou a venda da usina de Cachoeira
Dourada e, agora, avalia como positivo o processo que resultou na compra, há
pouco mais de um ano, da Celg pela multinacional italiana Enel. “Eu fui
obrigado e pressionado a vender Cachoeira Dourada pelo governo federal, mas o
dinheiro foi todo aplicado em hospitais, escolas. Tem relatório do TCE sobre
isso e, se eu tivesse errado, eu tinha ido pra cadeia. O governo que entrou foi
num revanchismo danado”, conta Maguito que defende: “o Estado tem que cuidar de
Segurança Pública, Educação e Saúde. Não tem que ficar cuidando de empresas, o
que a iniciativa privada faz muito bem”. A privatização da Celg foi boa?
“Considero acertada, mas não quero discutir se os números foram corretos ou se
o dinheiro foi bem usado”, avalia Vilela.

Responsabilidade

O ex-prefeito de Aparecida de Goiânia foi questionado sobre
se a função da oposição não é justamente fiscalizar os números e valores. “Eu
discuto o papel do estado. Não sou eu que não tenho mandato nenhum que vou
ficar pesquisando”.

Discursos

Em nome da coerência, Maguito prefere contrapor o que
discursa o próprio filho, pré-candidato ao governo e deputado federal Daniel
Vilela (MDB), ao defender a privatização da Celg e defender a venda de
Cachoeira Dourada.

MDB cola Meirelles a
Temer

Depois de confirmar que será candidato a novo mandato, o
presidente Michel Temer levou, no fim da última semana, a tiracolo o ministro
da Fazenda, Henrique Meirelles (PSD), em um giro pelo Nordeste. A cúpula do MDB
quer que o ministro goiano se filie ao partido e permaneça como uma espécie de
“plano B” para o caso de Temer não conseguir viabilizar sua candidatura e
desistir de entrar no páreo. Se o presidente não recuar, porém, o MDB avalia
que Meirelles pode ser vice na chapa. Meirelles quer concorrer à Presidência,
mas enfrenta dificuldades para pôr de pé seu projeto eleitoral. O anapolino não
tem apoio de sua própria legenda – que negocia com o PSDB do governador e
presidenciável Geraldo Alckmin – e não obteve garantia de candidatura em
partidos menores, como PRB, PSC e PHS. Até agora, ele tem dito que não será
vice de ninguém. “O próprio presidente reclamava de ser vice”, afirmou ao
jornal O Estado de S. Paulo. “No início de abril, vou tomar a decisão se
continuo no Ministério ou saio para disputar a eleição”.

CURTAS

Gastronomia
Serão lançados amanhã no Palácio das Esmeraldas os festivais gastronômicos de
São Simão e de Quirinópolis.

Soma – Marconi
Perillo entrega até 31 de março obras em 23 cidades com investimento total de
R$ 504 milhões oriundos do Goiás na Frente e da privatização da Celg.

Manifestação – O
pré-candidato Daniel Vilela (MDB) recebeu apoio de 53 ex-prefeitos do partido
na última semana.

Ao ataque!

Em agenda na cidade de Panamá, o governador Marconi Perillo
(PSDB) usou discurso para atacar genericamente os opositores, que têm
intensificado as críticas ao governo e ao próprio líder tucano.

Trabalho

“Preguiça eu nunca tenho! Em quatro meses serão 180
municípios visitados! Só discurso não resolve nada. É preciso ter trabalho para
mostrar. Muitos só criticam e falam mal, porém nunca fizeram nada por Goiás!”,
disse Marconi.

Indícios

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) aponta que 48 das 85
unidades orçamentárias avaliadas no governo estadual pagaram mais de 50% de
suas despesas em desacordo com a ordem cronológica.

Crítica

Para o procurador de contas Fernando Carneiro, a situação “mostra
à sociedade que Goiás está com as portas abertas para a corrupção”. Para ele,
seria “imprescindível força tarefa por parte do Ministério Público Estadual”
sobre o caso.

Despacho

O prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha (MDB),
assinou o Termo de Permissão de Uso de Bem Imóvel à entidade Associação
Sociocultural Cidade Livre.

Atividades

A área será usada para cursos de iniciação artística e
cultural de crianças, jovens e adultos, aulas de dança, desenvolvidas também
por companhias de arte, teatro e dança colaboradoras.

 

Compartilhe: