Coluna

Movimento dissidente força posição de Iris e prejudica Caiado

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 24 de março de 2018

O tiro saiu pela culatra. Se a intenção do grupo de
apoiadores do senador Ronaldo Caiado (DEM) dentro do MDB era fortalecer a
dissidência e a possibilidade de que o partido apoie o pré-candidato, o tempo
(e pouco) mostrou resultado contrário. O evento realizado por prefeitos –
Ernesto Roller (Formosa), Paulo do Vale (Rio Verde), Adib Elias (Catalão),
Renato de Castro (Goianésia) e Fausto Mariano (Turvânia), e o deputado José
Nelto, na Assembleia Legislativa, na terça-feira (20), não causou onda de
crescimento do apoio a Caiado e mostrou que a dissidência é, efetivamente,
minoritária entre filiados com poder de voto em eventual disputa na convenção.
Mais que isso, a principal liderança da oposição no estado, o prefeito de
Goiânia Iris Rezende, não teve alternativa senão anunciar apoio categórico ao
pré-candidato do partido, depois de tentar em seguidas reuniões a unidade entre
Caiado e o deputado federal Daniel Vilela. A pressão interna pela desfiliação
dos caiadistas do MDB continua, mas sem considerar possível expulsão.

Vida que segue

Ronaldo Caiado mantém a pré-candidatura e tem indicado que
poderá disputar o governo mesmo sem o apoio do MDB. Depois do anúncio de Iris,
se manifestou pelas redes sociais e voltou a defender a união. Tem prazo para
isto.

Cada um na sua

“Não cabe a mim interferir em ações de partidos aliados.
Vamos agora buscar ainda mais o diálogo, com humildade e respeito, para a união
da oposição. Devemos estar aliados aos goianos que tanto desejam mudar Goiás”,
apontou o senador.

Baldy desiste de
reeleição

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy (PP), confirmou que
não pretende deixar o cargo até o dia 7 de abril, prazo previsto pela
legislação eleitoral para a desincompatibilização de candidatos. Ao ministro da
Casa Civil, Eliseu Padilha, Baldy avisou que desistiu de disputar a reeleição a
deputado federal em Goiás e que continua no posto até o final do governo de
Michel Temer (MDB). A informação foi divulgada pela jornalista Andreza Matais, em
coluna no jornal Estadão. O goiano deve apoiar sua mulher, Luana, ou seu irmão,
Joel Sant’Anna, para uma cadeira na Câmara dos Deputados. A decisão de Baldy
teria passado por convencimento do presidente nacional do PP, senador Ciro
Nogueira. Em Goiás, o partido mantém a decisão de adiar ao máximo a definição
de alianças, enquanto é cortejado tanto pela base tucana quanto pela oposição.
A indicação da direção nacional é que, ao invés de convenção, a decisão seja
tomada por votação entre Baldy, os deputados Roberto Balestra e Sandes Júnior,
além do senador Wilder Morais. O problema é se der empate.

CURTAS

Nova direção – O
Conselho Regional de Contabilidade realiza terça-feira (27) solenidade de posse
de novos conselheiros (2018-2021) e diretoria (2018-2019). 

Quase pronto – Marconi
Perillo e José Eliton visitam neste domingo obras do Residencial Buriti Sereno,
em Aparecida de Goiânia. Previsão é entregar em abril.

Rotina – A
secretária municipal de Saúde, Fátima Mrue, foi convocada pela sexta vez para
prestar esclarecimentos à CEI da Saúde na Câmara Municipal.

Esquerda

O deputado federal Rubens Otoni (PT) anuncia que o PT vai mesmo
lançar candidato ao governo. O petista garantiu que “o nome para a disputa deve
ser anunciado até o final do mês de abril”, em entrevista à Rádio Brasil
Central.

“Estamos discutindo internamente qual será o melhor nome.
Candidato não é problema para o PT, temos inúmeros representantes à altura para
disputar o governo de Goiás. Estamos estudando a melhor estratégia para isso”,
declarou. 

Estratégia

Sobre planejamento, o PT segue com a ideia restrita da
improvável candidatura do ex-presidente Lula, o que impede até a formação de
alianças com siglas da frente de esquerda, que têm nomes à presidência, como
Psol, PCdoB e PDT.

Exemplo luso

José Vitti (PSDB) recebeu o ministro do Ambiente de
Portugal, Carlos Martins, em seminário sobre a gestão de resíduos sólidos.
Foram apresentadas ações realizadas no país, que é referência mundial no
assunto.

Investimento

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, anunciou o início
da segunda etapa das obras de saneamento integrado na região da cidade de Goiás.
Investimento é de R$ 26,4 milhões do Orçamento Geral da União (OGU).

Trabalho

A ação contempla a execução de rede coletora de esgoto e
drenagem fluvial, ligações domiciliares e a implantação de Estação de
Tratamento de Esgoto (ETE), pavimentação asfáltica e calçadas.

 

Compartilhe: