Segunda-feira, 15 de julho de 2024

Coluna

Mais de 80% das micro e pequenas empresas não conseguem pagar dívidas

Publicado por: Sheyla Sousa | Postado em: 02 de janeiro de 2020

Os
indicadores disponíveis até o momento sugerem um cenário de dificuldades
persistentes para a maioria de micro e pequenas empresas, com discreta melhoria
para as companhias de maior porte, o que chegou a estimular um avanço moderado
do investimento no setor corporativo, considerando uma amostragem de 240
empresas de capital aberto (com exclusão das gigantes Petrobrás, Eletrobrás e
Vale). O investimento das companhias com ações negociadas em Bolsa saiu de
2,16% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 para 2,65% no primeiro trimestre
de 2019, recuando ligeiramente para 2,50% no trimestre seguinte, segundo o
conjunto de dados mais recentes trabalhados pelo Centro de Estudos do Mercado
de Capitais (Cemec), em parceria técnica e operacional com a Fundação Instituto
de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo (Fipe).

Aquele
número havia sido pior, muito obviamente, atingindo apenas 1,10% no auge da
recessão, em 2016. Mas mantém considerável distância dos 4,05% investidos em
2008, aproximando-se da taxa observada no começo da década passada – em 2010, o
investimento das empresas de capital aberto havia correspondido a 2,61% do PIB.
Nos últimos 10 anos, portanto, as empresas praticamente não saíram do lugar,
quando se considera aquela relação. Em outro trabalho, também tomando como
referência mais recente o segundo trimestre do ano passado, o Cemec aponta que
81,3% das pequenas e médias empresas não conseguem gerar caixa suficiente para
pagar suas despesas financeiras, diante de um índice de 37,0% para as médias
empresas e 17,5% das grandes empresas.

Adicionalmente,
acrescenta o Cemec, como a taxa de investimento em todo o País continuava
caindo até ali (e manteve-se baixa no terceiro trimestre), por exclusão,
supõe-se que o incremento observado para as empresas de capital aberto
expressaria muito mais uma realidade entre companhias de grande porte, com o
restante das empresas reduzindo os investimentos – conclusão que se aplicaria
igualmente ao conjunto das famílias.

Continua após a publicidade

Desafio

“O
principal desafio econômico do País é a aceleração e sustentação do
crescimento, condição necessária para reduzir o desemprego e a pobreza. O
aumento da taxa de investimento privado é a chave para atingir esse objetivo.
No cenário atual, o investimento público é limitado pela necessidade de ajuste
fiscal, o espaço para ativar a demanda do consumo via crédito é restrito e
várias condições externas adversas não ajudam as exportações. Nesse contexto, o
investimento privado, condicionado também pelo ritmo que vier a ser dado na
execução dos novos projetos de infraestrutura, é o principal determinante do
crescimento nos próximos anos”, afirma a equipe do Cemec, liderada pelo
economista Carlos Antonio Rocca.

Balanço

·  
Em
outros trabalhos, o Cemec chegou a identificar pelo menos dois fatores essenciais
na tomada de decisões de investimento pelas empresas. Em primeiro lugar,
observou-se que “os investimentos reagem de modo positivo quando a taxa de
retorno do capital total investido (ROIC) supera o custo médio ponderado do
capital (ROIC)”. Ou seja, quando o investimento permite que as empresas
obtenham lucros maiores do que os custos que terão que enfrentar para financiar
o mesmo investimento.

·  
Por
volta de meados da década passada, o custo médio do capital, influenciado pelas
taxas de juros em vigor, girava ao redor de 11% a 13% ao ano, mas o retorno
sobre o capital investido esteve sempre muito próximo ou acima de 15%,
“pagando” com sobras todo o custo.

·  
Esse
cenário perdurou, com algumas exceções, até o final do período. Em 2010, o
retorno havia alcançado 13,6% para um custo de 12,2%. Nos anos seguintes, a
equação mudou de sinal e o custo passou sistematicamente a superar o retorno,
desestimulando o investimento.

·  
O
retorno sobre o capital chegou a cair para 9,0% em 2017 diante de um custo
médio ponderado de 11,6% ao ano para o dinheiro contratado pelas empresas para
financiar o investimento. Naquele ano, o investimento chegou a 1,81% do PIB.

·  
No
ano seguinte, houve uma melhoria na taxa de retorno, que se elevou para 11,6%.
Mas manteve-se ainda abaixo dos custos, que somaram 12,8%.

·  
No
segundo trimestre de 2019, a taxa de retorno havia perdido 1,2 pontos de
porcentagem, recuando para 10,4%, diante de um custo médio ponderado de 11,8%
para o capital contratado (recuo de 1,0 ponto de porcentagem). Houve uma ligeira
deterioração, o que parece explicar igualmente o recuo do investimento (de
2,65% para 2,50% entre o primeiro e o segundo trimestres do ano passado).

O segundo fator identificado pelo Cemec está
relacionado às expectativas de crescimento para os anos seguintes. Até então,
as previsões apontavam avanço para a economia, mas a taxas ainda bastante
modestas diante das demissões assumidas pela capacidade ociosa nas fábricas e
pelo desemprego (situação que, em outras condições, poderia sancionar taxas mais
ambiciosas de crescimento da economia, sem o risco de elevação das taxas de
inflação).