Coluna

O que há por trás da ansiedade por Mendanha no PSD 

Publicado por: Yago Sales | Postado em: 19 de março de 2022

A possível desistência de Henrique Meireles de concorrer ao Senado pelo PSD anima o projeto político de Marconi Perillo (PSDB). Sem Meirelles, Perillo nada de braçadas em uma candidatura para a única vaga de senador. O dilema estremece os tucanos com a possibilidade da volta de Marconi ao poder, no caso, lá em Brasília. Nos bastidores, fala-se que Perillo venceria facilmente Alexandre Baldy (PP), Delegado Waldir (UB) e João Campos (Republicanos), alguns dos pré-candidatos ao Senado. Outra coisa que se diz é que Marconi teria levado Mendanha ao encontro do presidente do PSD, Gilberto Kassab, sob a condição de que Meirelles fosse descartado pela sigla. Por outro lado, parte do próprio Meirelles as indefinições e, quiçá, pressões em São Paulo, onde ele é titular da Secretaria da Fazenda da gestão de João Doria e um dos pesos para a construção da candidatura do tucano à Presidência. O senador Vanderlan Cardoso, um dos nomes fortes do PSD, também defende Mendanha tanto no partido quanto candidato pela sigla. Claro, por questões óbvias: viabilizar a formação de uma chapa sólida. 

Visita

Henrique Meirelles anunciou que deve passar toda a semana que vem em Goiás. A visita pode definir se o ex-presidente do Banco Central será, ou não, o nome do PSD na disputa ao Senado. 

Censura?

O senador Luiz do Carmo classificou a decisão do STF em suspender o Telegram no Brasil como “ditadura”. “Entramos para o ‘seleto’ grupo de países onde o Telegram também é proibido, como: China, Coréia do Norte, Irã e agora o Brasil. Ou o Senado Federal age, ou iremos rumo à Venezuela”, escreveu o parlamentar. 

Genética 

O filho de 18 anos do líder do Governo na Alego, Bruno Peixoto, ganhou um cargo no Tribunal de Contas dos Municípios. Gabriel Gontijo Peixoto é neto do ex-vereador e ex-presidente do Imas, Sebastião Peixoto. O menino acabou de entrar na Faculdade de Direito e vai ter salário de R$6 mi.

No tribunal

O ex-deputado estadual Humberto Aidar tomou posse na sexta-feira (18) na cadeira como conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios de Goiás.

Curta

No lugar dele, na Alego, assume na próxima segunda o suplente do MDB, o secretário de Aparecida Max Meneses.

Compartilhe: