Após Covid no WR, rede pública segue com cronograma de aulas presenciais

As aulas presenciais, na modalidade híbrida, isto é, 50% dos alunos em sala de aula e a outra parte remota, começaram no

Postado em: 09-08-2021 às 10h46
Por: Nielton Soares
As atividades escolares no Estado começaram no último dia 02 e em Goiânia a programação é que as escolas funcionem com capacidade de 50% | Foto: reprodução

As aulas presenciais, na modalidade híbrida, isto é, 50% dos alunos em sala de aula e a outra parte remota, começaram no último dia 02, na rede estadual, e a retomada na Capital está programada para o próximo dia 16. E desde março, esse formato já funcionada na rede privada de ensino.

Porém, na última semana, um caso chamou a atenção, um surto de Covid-19 paralisou por 14 dias as atividades do Colégio WR, na Capital. Segundo a instituição, seis alunos foram testados com a doença.

Além desse episódio, na última sexta-feira (06/08), 16 servidores do Laboratório Químico e de Toxicologia Forense (LQTF), do Instituto de Criminalística Leonardo Rodrigues (ICLR), em Goiânia, mesmo vacinados, segundo o órgão, foram contaminados pelo vírus.

Continua após a publicidade

Diante desses fatos, O Hoje questionou os Governos estadual e municipal se o cronograma das aulas presenciais sofrerão alteração. De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Educação (Seduc), as atividades presenciais, que entram na segunda semana, continuarão sem alteração.

A rede municipal de Goiânia reforçou, por nota, a retomada do regime de aulas presenciais. “A pasta segue acompanhando o cenário epidemiológico da Capital e está preparada para o retorno com rígidos protocolos de biossegurança”, cita o comunicado.

Nota do WR

Informamos que, diante da recente confirmação de 6 casos positivos de Covid-19 entre nossos alunos, optamos por suspender nossas atividades presenciais por 14 dias, a contar a partir de hoje.

Reafirmamos nosso compromisso com a segurança, saúde e bem-estar da nossa comunidade escolar e asseguramos que nossas ações estão de acordo com os protocolos de biossegurança orientados.

Durante esse período, continuaremos com as aulas 100% online.

Certos do seu apoio e compreensão,

Cordialmente,

Equipe WR

Nota da ICLR

As instituições e agentes que subscrevem a presente nota vêm a público manifestar solidariedade aos servidores do Instituto de Criminalística Leonardo Rodrigues (ICLR) em especial, do Laboratório Químico e de Toxicologia Forense (LQTF).

Se não bastasse o estado apreensivo em que nossa sociedade se encontra, presenciando a morte de 562 mil brasileiros em detrimento do novo Coronavírus, o aumento pronunciado de casos de COVID-19 no LQTF/ICLR nos mostra que, após meses de Pandemia, a COVID-19 é ainda uma doença enigmática e a ser temida.

Mesmo com todos os servidores tendo sido vacinados e persistindo quanto às medidas de higiene com o uso de máscara e álcool em gel, ainda assim, rapidamente, ocorreu o contágio de diversas pessoas em um Laboratório do ICLR/SPTC.

Como dito, todos os servidores estão vacinados, o que propiciou um cenário menos grave. Entretanto, a preocupação é uma realidade e está acentuada, pois todos os envolvidos do ICLR/SPTC têm familiares e entes amados e, infelizmente, nem todos os brasileiros estão vacinados.

Importante destacar a união e cooperação de diversos setores e pessoas para controlar a crise instaurada: a ASPEC-GOque assessorou e acompanhou a atuação dos servidores e gestores da Polícia Técnico-Científica; a Superintendência da Polícia Técnico Científica (SPTC), que por meio do SESMT, do NIAB, do ICLR, das Coordenações da DPI, da SETOX e da SEQFOR, atuou ativamente junto aos envolvidos em busca do melhor gerenciamento para a situação inesperada; e a atuação mais importante, a dos Peritos Criminais do LQTF (SETOX e SEQFOR) que se desdobraram para disponibilizar apoio emocional, sanitização do local afetado, cooperação para o rápido acionamento das autoridades de vigilância sanitária e atendimento médico à equipe.

A união dos entes destacados possibilitou o controle da disseminação e evitou que outros servidores do LQTF se contaminassem, bem como de outros laboratórios e seções do ICLR/SPTC.

Ao longo do gerenciamento dessa crise, ímpar e sem precedentes no histórico da Instituição, a contenção só foi possível com a ação conjunta de todos os citados, independente, da função e do cargo.

Informamos que o cenário atual ainda é de mobilização, ausência de novos casos e com 16 servidores em recuperação.

Por fim, esperamos que todos permaneçam MOBILIZADOS e UNIDOS!

Dr. Marcos Egberto Brasil de Melo (Superintendente de Polícia Técnico-Científica)

Perito Criminal João Victor M. Franco (Presidente da ASPEC-GO)

Perito Criminal Antônio Carlos Chaves (Gerente do ICLR/SPTC)

Perito Criminal Ivomar Zancanaro (Coordenador da DPI/ICLR)

Perita Criminal Thatianne Teodoro Vieira (Coordenadora do LQTF/ICLR)

Veja Também