Moradores de Niquelândia criaram sistema de ‘teleférico’ para atravessar córrego

Os moradores atravessam de carro, cavalo ou apé, mas quando chove, o nível do rio sobe e é preciso usar a gaiola.

Postado em: 17-11-2021 às 10h19
Por: Alexandre Paes
Os moradores atravessam de carro, cavalo ou apé, mas quando chove, o nível do rio sobe e é preciso usar a gaiola. | Foto: Reprodução

A população do Vão do Meloso, povoado da cidade de Niquelândia, construiu uma gaiola inspirada em um teleférico, a atitude ajuda os moradores do local a atravessar o Córrego do Marreco e conseguir chegar a cidade. Esses moradores chegaram a comprar uma ponte em 2015, após juntarem R$ 23 mil, mas ela nunca foi instalada pela prefeitura.

A Prefeitura de Niquelândia informou, em nota, nesta terça-feira (16/11), que enviou técnicos da Secretaria de Viação e Obras para fazer levantar o custo para a construção de uma ponte no local. “Estamos aguardando agora a parte orçamentária para a execução desta obra. Isso é um compromisso do prefeito, e está em nosso plano de governo construir essa ponte, ainda dentro deste mandato”, diz a nota.

A gaiola foi comprada pelos próprios moradores no ano passado. Ela funciona da seguinte forma: uma pessoa fica soltando a corda enquanto a gaiola vai descendo com moradores dentro. Além de pessoas, ela comporta mantimentos, ferramentas de trabalho e até duas motos.

Continua após a publicidade

Abadia Cosme e o marido, Rosalindo, moram no povoado há 40 anos. Ela conta que, sempre que chega o período chuvoso, o casal estoca mantimentos por causa da dificuldade de chegar até a cidade. “A gente passa cerca de 60 dias sem ir a Niquelândia porque de carro é difícil. O rio enche e fica difícil de a gente passar”, disse a dona de casa.

Boa parte do que os moradores precisam para viver está na cidade, como comércios, hospitais e escolas, só que para chegar lá depende do volume de água do rio. Na época da seca, quando está baixo, os moradores atravessam de caminhonete, cavalo ou até mesmo andando. Mas quando chove, o nível sobe e é preciso usar a gaiola para ‘sobrevoar’ de uma ponta a outra do córrego.

Veja Também