Primeiro quadrimestre teve aumento de 85% em mortes no trânsito

Postado em: 06-06-2022 às 08h35
Por: Sabrina Vilela
De acordo com dados divulgados pela Polícia Rodoviária Federal de janeiro a abril, 81 pessoas morreram em rodovias, 1026 ficaram feridas e 886 acidentes foram registrados | Foto: Pedro Pinheiro

Na manhã da última sexta-feira, (3) um pedreiro que não teve identidade revelada saiu de bicicleta para mais um dia de trabalho a fim de garantir o sustento. Dessa vez o serviço seria na casa de alguém conhecido, da irmã. O que ele não esperava é que aquela manhã seria a última que veria a sua família e que não conseguiria executar o serviço na casa da irmã. Enquanto ele pedalava no sentido do setor Finsocial indo para a Rodovia GO-070, sentido Goianira-Goiânia, já se aproximando da barreira policial, foi surpreendido por um veículo VW-GOL vermelho que estava no mesmo sentido e o atropelou. O homem foi identificado apenas pelas siglas M.R.S pela Delegacia de Crimes de Trânsito (Dict). 

Familiares disseram que era de costume da vítima trafegar pela GO-070, todos os dias de bicicleta. O condutor do Gol vermelho (L.J.S) é motorista de aplicativo e havia acabado de deixar um passageiro nas proximidades do local do acidente e que estava retornando para sua residência. O motorista disse ainda que teria dormido na direção, quando ocorreu o acidente e que não teria visto a vítima trafegando pela rodovia. 

81 histórias

De acordo com dados divulgados pela Polícia Rodoviária Federal de janeiro a abril, 81 pessoas morreram em rodovias, 1026 ficaram feridas e 886 acidentes foram registrados. O aumento é evidente em relação ao mesmo período do ano passado, com 69 mortes, 940 feridos e 868 acidentes.

O crescimento tem relação com a normalidade pós pandemia. “O aumento se deve a saída da fase da pandemia. Houve mais movimento nas estradas porque as pessoas perderam o receio de viajar. Então, houve mais mortes, feridos e acidentes”, explica o inspetor da PRF Newton Morais. 

De acordo com o inspetor, as vias mais perigosas para trafegar são a BR 153 – que corta o estado de ponta a ponta- e a BR 060 – que passa por Brasília, Goiânia e Jataí. “Essas vias são as mais movimentadas porque dão acesso a pontos turísticos. Por exemplo, a BR 060 pode trafegar para Caldas Novas e Serra da Mesa. Essas rodovias são as maiores do coração do país”. 

Segundo Newton as principais irregularidades são: ultrapassagem proibida, falta do uso de cinto de segurança e uso do celular. Algo que chama a atenção do profissional é a idade dos condutores. “As infrações e acidentes são mais comuns em pessoas mais velhas com mais tempo de habilitação. Acredito que seja medo dos mais jovens perderem a carteira e a autoconfiança de quem tem mais experiência”, relata. 

Para ele, em áreas urbanas essas infrações são ainda piores, os motoristas “dirigem mais perigosamente principalmente em horário de pico”. O uso de celular ao volante é ainda mais comum nas cidades por conta dos semáforos, pois o condutor do veículo aproveita a pausa para ver as mensagens e acaba se distraindo, conforme aponta o Morais. 

Entre as recomendações da PRF para reduzir o risco de acidentes no trânsito estão: respeitar os limites de velocidade, manter distância de segurança em relação aos demais veículos, ultrapassar apenas quando houver plenas condições de segurança e não desviar a atenção do trânsito. A PRF também orienta os usuários de rodovias, mesmo antes de viagens curtas, a fazer uma revisão preventiva do veículo, o que inclui a checagem dos pneus, do sistema de iluminação, dos equipamentos obrigatórios, do nível do óleo e do radiador, entre outros itens.

Dados da SSP-GO

Levantamentos da Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO) do mês de maio apontam que 146 pessoas morreram em todo o Estado em acidentes de trânsito e 18053 pessoas envolvidas. Destes 89,7% aconteceram em área urbana. Em sua maioria foram acidentes sem uma causa definida, em segundo lugar colisão entre carro e moto, com 1.104 ocorrências desse tipo. Goiânia lidera como o município com maior número de acidentes, sendo 288, seguido de Aparecida de Goiânia com 608 e Anápolis com 437 ocorrências. 

Grande parte dos locais de acidentes identificados foram em ruas ou avenidas, cerca de 5432, enquanto a rodovia estadual contabiliza 676. Os gráficos disponibilizados do último mês apontam ainda que acontecem acidentes diariamente, mas principalmente aos finais de semana entre às 15 horas e 21 horas.  

Medidas

O Departamento Estadual de Trânsito de Goiás (Detran-GO) promove ações educativas, além das obrigatórias determinadas pela Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran), e ações de fiscalização como a Balada Responsável, além de campanhas de divulgação por mídias sociais e matérias divulgadas em veículos de Comunicação.

Das infrações mais comuns, segundo o Detran, pode-se destacar o excesso de velocidade. Ainda é a infração mais registrada, não só no Estado de Goiás, mas em todo o Brasil.

Segundo dados disponibilizados pelo Detran, só em 2022 cerca de 1.433.346 multas foram aplicadas em todo o Estado, sendo a maioria de infração média. Destas, 43% são por dirigir em velocidade acima da permitida.Em 2021 foram 3.878.665 multas e em 2020 3.805.573. 

Já em nota a Secretaria Municipal de Mobilidade (SMM) informa que todo acidente com vítima o atendimento é realizado pela Polícia Militar do Estado de Goiás para registro do Boletim de Ocorrência. “A Mobilidade tem trabalhado com campanhas educativas no sentido de diminuir a violência no trânsito”. Em relação à sinalização, todo cidadão ou entidade civil tem o direito de solicitar, por escrito, aos órgãos ou entidades do Sistema Nacional de Trânsito, sinalização, fiscalização e implantação de equipamentos de segurança, bem como sugerir alterações em normas, legislação e outros assuntos pertinentes a este Código

Compartilhe: