Justiça suspende shows de Matheus e Kauan, Barões da Pisadinha e George Henrique & Rodrigo em Formosa

A ação do MP demonstrou irregularidades nas negociações e o uso indevido de verba pública com a festa

Postado em: 29-07-2022 às 08h52
Por: Rodrigo Melo
A ação do MP demonstrou irregularidades nas negociações e o uso indevido de verba pública com a festa | Foto: Reprodução

A Justiça suspendeu a execução de quatro shows que seriam realizados no município de Formosa durante a 70ª Expoagro, sob a alegação de supostas irregularidades nos contratos e uso de recursos públicos. A suspenção ocorreu a pedidos do Ministério Público de Goiás (MP-GO). A prefeitura afirma que tenta reverter a decisão.

Leia também: Justiça suspende shows de Leonardo e João Neto & Frederico

O evento com entrada gratuita estava previsto para acontecer entre 29 de julho e 1º de agosto, com a seguinte programação:

Continua após a publicidade

  • 29/07 – Barões da Pisadinha (show regional de abertura com Bia Fonseca)
  • 30/07 – John Amplificado (show regional de abertura com Vinicius Santana)
  • 31/07 – George Henrique e Rodrigo (show regional de abertura com Rick&Rangel)
  • 01/08 – Matheus e Kauan (show regional de abertura com Tam cantora)

Recursos públicos

A ação do MP demonstrou irregularidades nas negociações e o uso indevido de verba pública com a festa, de acordo com a promotora de Justiça, Andrea Beatriz Rodrigues de Barcelos. A liminar suspende também a execução de contratos e serviços de montagens de palcos, determinando o retorno imediato do dinheiro público já empregado aos cofres do Fundo Municipal de Cultura de Formosa.

Ela também demandou na ação que o município não pague as apresentações com recursos do Fundo Municipal de Cultura. Na ação, o MP-GO pediu às empresas, que representam os artistas, o ressarcimento aos cofres públicos, caso haja realização dos eventos.

Para a promotora, os recursos públicos do Fundo de Cultura de Formosa são destinados unicamente para a projetos culturais de produtores que residem na cidade. Andrea acrescentou ainda que cada projeto deve ser previamente aprovados pelo Conselho Municipal de Cultura e apresentar contrapartida social.

No documento, Justiça também argumenta o município apresenta deficiência na assistência da saúde, e que as negociações exorbitantes de verbas para esse tipo de evento não correspondem as prioridades orçamentárias.

Leia também: MPGO investiga funcionária da Prefeitura de Formosa suspeita de desviar dinheiro do terminal rodoviário

Veja Também