Cerca de 70% das infecções podem ser evitadas com o cuidado

Especialista explica como medidas simples podem salvar vidas, já que 500 mil pacientes são infectados, diariamente, ao redor do mundo, e 16 milhões de pacientes morrem por ano, vítimas de infecções

Postado em: 01-05-2018 às 10h50
Por: Márcio Souza
Especialista explica como medidas simples podem salvar vidas, já que 500 mil pacientes são infectados, diariamente, ao redor do mundo, e 16 milhões de pacientes morrem por ano, vítimas de infecções

Celebrado todo dia 5 de maio, o Dia Mundial de Higienização
das Mãos foi criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para reforçar a
necessidade desse tipo ação na prevenção das infecções hospitalares e na
garantia de segurança ao paciente. Em 2018, a Campanha Mundial Salve Vidas:
Higienize suas mãos, estimulada pela OMS, traz como tema: “Está em suas
mãos prevenir a sepse na assistência à saúde”.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde cerca de 500
mil pacientes são infectados, diariamente, ao redor do mundo, e 16 milhões de
pacientes morrem por ano, vítimas de infecções relacionadas a assistência à
saúde – mais do que a AIDS, a tuberculose e a malária juntas. “No Brasil,
apesar de ser obrigatório a notificação sobre o número de mortes e complicações
causadas por infecções hospitalares, o movimento dos hospitais em relação a
isso ainda é tímido. Segundo a própria Anvisa a análise dos resultados
apresentados deve ser feita com ressalvas, já que alguns hospitais apresentam
taxas zeradas de infecção, podendo indicar por exemplo, subnotificação. Por
isso, além de ainda não ser possível detalhar o cenário brasileiro, também não
se torna simples transformar esse ato em rotina em nosso dia a dia”,
esclarece Tatiana Freitas, Mestre em enfermagem (UFF) e Especialista de produto
da linha de Prevenção de Infecção da B. Braun.

Continua após a publicidade

Para Tatiana, a higienização correta das mãos, mesmo ainda
sendo um tabu dentro do ambiente hospitalar, é a medida mais simples e eficaz
na prevenção de infecções relacionadas à saúde. “O grande desafio dos
hospitais é a adesão efetiva à higiene das mãos e a sua manutenção. Pelo menos
70% das infecções relacionais a assistência à saúde, poderiam ser evitadas.
Estudos já apontaram que, para cada um dólar investido no programa de higiene
das mãos, há uma economia de US$ 23,70 no orçamento do hospital “,
completa.

A especialista ainda esclarece que caso não haja sujidade
aparente nas mãos, o álcool gel é a melhor opção para uma higienização efetiva.
“O álcool tem uma importante ação contra os multirresistentes. Além disso,
essa técnica utiliza menos tempo e contribui na redução dos gastos, com água,
dentro dos hospitais. Tatiana lembra que, ainda existem alguns fatores
importante vistos na estratégia multimodal, muitos hospitais hoje possuem
dificuldades na implementação do programa: infraestrutura, produtos de
qualidade, educação e treinamento etc”. 

Ainda segundo a enfermeira, a higiene nas mãos não pode ser
algo rotineiro apenas no ambiente hospitalar, mas também quando estamos em casa
e até no trabalho. “Com a chegada do frio, é comum às pessoas ficarem mais
próximas e em lugares fechados, facilitando a disseminação de algumas doenças
transmitidas pelo ar. E nesta época as principais doenças são as infecções
respiratórias como, por exemplo, a gripe. Por isso a importância de mantermos a
atenção total a Higiene das mãos. Não importa qual seja o ambiente todos os
profissionais devem higienizar suas mãos, sempre preferindo o uso do
álcool”, finaliza.

A B. Braun possui uma linha completa para a higiene de mãos
que, em virtude de suas propriedades inovadoras, é capaz de atingir os
requisitos descritos como efetividade, tempo de aplicação curto e alta
tolerância da pele facilitando assim a adesão à prática. Além de ser um
importante aliado no combate às infecções hospitalares, o Softalind Visco Rub,
álcool gel da B. Braun para fricção antisséptica das mãos, auxilia também no
combate à gripe H1N1. Composto de etanol e n-propanol, o produto é testado
contra o vírus H1N1 e pode reduzir as chances de transmissão caso a
higienização das mãos seja realizada corretamente.

A OMS recomenda que a higiene correta das mãos deve ser
realizada da seguinte maneira: colocar uma quantidade de álcool gel na palma
das mãos (suficiente para antigir todas as superfícies) esfregar bem o dorso, a
palma, os dedos, os interdígitos, isto é, o vão dos dedos, e os polegares. É
preciso tomar cuidado também com a área das pontas dos dedos e embaixo das
unhas.

 

Veja Também