Guerra na Ucrânia: Entenda os impactos na economia do Brasil

Guerra na Ucrânia: Entenda os impactos na economia do Brasil

Postado em: 14-09-2022 às 09h14
Por: Mariana Fernandes
O conflito já tem feito com que os preços de commodities agrícolas subissem, em especial o trigo e o milho | Foto: Reprodução / ME

A invasão de tropas russas sobre território ucraniano, completou um pouco mais de 6 meses e já causou impactos econômicos, como as cotações de dólar e petróleo, aos quais dispararam. Em consequência, os economistas que temiam negativas em nosso país, já conseguem apontar impactos que podem ser positivos, se levado em conta que guerras nunca são justificáveis. 

Entre os impactos em nosso país, no quesito economia, os especialistas temiam um aumento da inflação referente a elevação no preço internacional dos alimentos e da gasolina, quedas de investimentos e uma redução econômica europeia, que pode comprometer a exportação de produtos brasileiros. Já os impactos que poderiam ser considerados positivos à economia nacional, estava a valorização das commodities brasileiras e uma possível desvalorização do dinheiro americano. 

No Brasil, onde a bolsa e o câmbio vinham se beneficiando do fluxo estrangeiro atraído pelas commodities e ativos considerados baratos, não foi diferente. Só no mês de fevereiro, início da guerra, o dólar avançava 1,83% em comparação ao real, cotado a R$ 5,096.

Continua após a publicidade

Outro impacto presente com a guerra foi a inflação. O cenário de preços mais altos e a atividade estagnada se torna prejudicial para a economia como um todo, e pode impactar desde consumidores à integrante das cadeias produtivas do nosso país. 

Foto: Reprodução/ Redes

A Petrobras, empresa que atua em 30 países, deve rapidamente reajustar os preços dos combustíveis devido ao preço do petróleo ter ultrapassado US $100 no início do conflito. O item, considerado essencial, foi um dos maiores responsáveis pela inflação do teto no ano passado, e ao lado dos alimentos é um dos grandes vilões da inflação.

“As pressões sobre os [preços dos] combustíveis afetam o mundo inteiro. Piora ainda mais uma inflação que já está muito elevada”, diz o economista-chefe da MB Associados, Sérgio Vale, em coletiva à imprensa. “Se tem mais inflação, será necessário subir mais os juros, e juros mais altos dificultam o crescimento lá na frente. ”

O economista ressalta também que em um conflito armado entre nações, o ritmo da atividade econômica acaba diminuindo na Europa devido à dependência do gás russo. Fornecedores como os países árabes, sabem que, se o petróleo chegar a US $120, por exemplo, outros países irão comprar menos petróleo. “O Brasil é um caso estranho porque a gente exporta petróleo bruto e importa refinado na forma de combustíveis porque não temos capacidade de refinar o petróleo (que consome). Se subir o petróleo, sobe o preço do combustível”, complementa.

Foi possível analisar que a pressão se deu por todos os lados, já que Rússia e Ucrânia são grandes exportadores agrícolas, principalmente na safra de trigo, milho, cevada, óleo de girassol e gasolina. Um bloqueio imposto pelo governo russo ao funcionamento dos portos da Ucrânia durante a invasão fez disparar os preços dos alimentos no mundo. Em alguns países mais pobres, os produtos chegaram a faltar nas prateleiras.

A guerra em curso também levou à redução da safra ucraniana. As produções equivalentes a 86 milhões de toneladas de grãos produzidos pelo país não foram colhidas. Os principais importadores dos grãos são países em desenvolvimento como Indonésia, Bangladesh, Turquia e Iêmen. 

Setores afetados

O professor da Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo, Simão Silber, explica que vê o agronegócio brasileiro como o setor do país que foi mais beneficiado pela situação da Ucrânia, mas também um dos mais afetados.

O conflito já tem feito com que os preços de commodities agrícolas subissem, em especial o trigo e o milho. A propensão é de que os produtores acompanhem a alta, seja para vender no mercado externo ou interno.

Foto: Reprodução / ME

O agronegócio também pode sofrer perdas dependendo do impacto das sanções do ocidente contra a Rússia no comércio de fertilizantes. O cenário, portanto, seria de encarecimento dos custos de produção, afetando as margens dos produtores. 

Especialistas também analisam benefícios para empresas ligadas ao petróleo, como a Petrobras, e em menor escala os minérios, que normalmente se tornam mais atrativos em períodos como a crise atual.

A principais perdas podem vir dos setores de varejo e indústria, já que a junção de juros altos e uma inflação ainda maior desaquecem a atividade econômica.  Economistas analisam melhora no setor, até o final deste ano.

Veja Também